quinta-feira, 28 de setembro de 2017

COSME E DAMIÃO


Embora o Espiritismo não comemore o dia de Cosme e Damião, eu aprendi com ele a respeitar quem comemora. É o ensino básico do cristianismo.
No calendário católico, o Dia de São Cosme e Damião é 26 mas no sincretismo religioso a festa é dia 27 de setembro. Eles eram dois irmãos gêmeos que se tornaram médicos e viajavam pelo oriente curando pessoas com a sua ciência, a fé em Deus e no poder da oração. Conseguiram tantas curas que o Rei Diocleciano mandou decapitá-los com medo da sua popularidade. Foi a partir daí que Cosme e Damião começaram a ser conhecidos como santos gêmeos. Não se sabe ao certo quando surgiu a tradição de distribuir doces, mas ganhou a cada ano mais força com o sincretismo entre a igreja católica e a umbanda. 
Os umbandistas e católicos distribuem doces nessa data. 
O importante é respeitar a crença alheia já que queremos que respeitem a nossa.


Rudymara



terça-feira, 19 de setembro de 2017

A POLÊMICA "CURA GAY"



Onde começou essa polêmica?

Começou em 1999 quando o Conselho Federal de Psicologia proibiu a psicóloga Rozangela Alves Justino de oferecer terapia aos seus pacientes que queriam tentar reverter sua sexualidade. A psicóloga entrou com um pedido para que tal decisão fosse revista. E, essa semana, O juiz federal da 14ª Vara do Distrito Federal Waldemar Cláudio de Carvalho concedeu liminar que abre brecha para que psicólogos ofereçam a terapia de reversão sexual, conhecida como ‘cura gay’. Ele não considerou a norma que proíbe a "cura gay" como inconstitucional, mas disse entender que os profissionais não podem ser censurados de promover a terapia a pacientes que a solicitarem. Sua determinação tem como objetivo não privar o psicólogo de estudar ou atender a pessoas que "voluntariamente venham em busca de orientação acerca de sua sexualidade". Porque há muitas pessoas em conflito, precisando de ajuda. A psicóloga não disse que a homossexualidade tem cura, disse que quer ajudar quem precisa de ajuda psicológica e o juiz quer dar esse direito para quem precisa. Não é um tratamento obrigatório. Só vai procurar quem achar que precisa dele. Mesmo que a pessoa em conflito procure a "cura" ou queira "deixar de ser gay", é um direito dela tentar. Na terapia o profissional não deverá aproveitar a fragilidade de seu paciente forçando-o a deixar de ser gay. Ele deverá orientá-lo, ajudá-lo a se compreender, se aceitar e entender que ele não é doente. Então, precisamos analisar os fatos antes de nos revoltarmos, polemizarmos, nos armarmos de ódio, repúdio ou algo que o valha. Homossexualidade não é doença, mas conflito emocional ameaça a saúde física. Precisamos pensar nos irmãos e irmãs que não compreendem sua atração por uma pessoa do mesmo sexo. Muitos chegam ao suicídio. Pensemos nisso!


Rudymara



domingo, 17 de setembro de 2017

A DOR AJUDA NA NOSSA EVOLUÇÃO


Por que a dor ajuda na nossa evolução? 
As dores e aflições acontecem porque são colheitas de nosso plantio, nessa ou em outra encarnação. E também porque moramos num mundo de provas e expiações onde necessitamos conviver com a maldade e ignorância de seus moradores e onde há flagelos destruidores que são causadas pela lei natural. Os flagelos destruidores beneficiam fisicamente o planeta, principalmente na renovação de sua atmosfera, mas, sobretudo, impõem um agitar das consciências humanas, tanto para aqueles que desencarnam em circunstâncias dolorosas e traumáticas, quanto para os que colhem as consequências da devastação ocasionada. Experiências assim representam a oportunidade de resgate de seus débitos do pretérito, ao mesmo tempo em que fazem sua iniciação nos domínios da solidariedade. Muitos que passam por doenças difíceis de tratar ou curar costumam abrir uma instituição, ser voluntário ou colaborador numa causa de caridade. Muitos deixam de ser menos materialista, como no caso de uma moça que está com câncer e que, em seu depoimento ela disse: "antes eu queria ter cabelos bonitos, hoje eu só quero ter cabelo." Por que? Porque ela perdeu os cabelos na quimioterapia. Daí a visão de prioridade na vida dela mudou. Outros, orgulhosos da inteligencia, chegam a humilhar quem sabe menos, daí um derrame cerebral, por exemplo, limita sua lembrança, fazendo que ele fique dependente de pessoas e lembranças de quem sabe menos que ele. Nessas tragédias da Natureza, por exemplo, observamos quem se solidariza com a dor de quem perdeu entes queridos, casas ou outros bens materiais e, quem explora a dor dessas pessoas. Há quem arrecade donativos para quem perdeu tudo e há quem desvie donativos arrecadados, quem suba o preço dos alimentos, água e outros itens de necessidade para quem precisa repor o que perdeu. 

Então, estas tragédias devem servir para despertar a obrigação de cada um com este mundo. Exemplo: não jogar lixo nos rios, córregos e bueiros; não construir em áreas de risco; não devastar a Natureza; ter vontade política para prevenir a morte de muitas pessoas, ser solidário com a dor do próximo, etc. Serve também para observarmos que não temos nada, apenas utilizamos o que Deus nos empresta. Se hoje temos algo "para utilizarmos", amanhã o vento, o tremor de terra, etc., pode levar tudo. Ensina a sermos mais humildes, pois muitos só vestem roupas de marca, exigem a melhor comida e não ajudam ninguém e nenhuma instituição, mas, quando precisam comer e vestir o que ganham das doações, passam a dar valor às coisas, e observam a importância de doar coisas para quem tem menos que eles. Enfim, a dor e o sofrimento obrigam a fazermos reflexões, mudanças de comportamento e a observarmos que, nascemos para evoluir. E quem não busca evoluir pelo amor será impulsionado a evoluir pela dor. Pensemos nisso!


Texto deRudymara



sábado, 16 de setembro de 2017

TRAFICANTES EVANGÉLICOS AGRIDEM UMA CASA DE CANDOMBLÉ




Infelizmente, INTOLERÂNCIA é a palavra do momento. 
Essa semana li uma notícia que me deixou pensativa: "Traficantes evangélicos obrigam mãe de santo a destruir seu próprio terreiro no Rio de Janeiro." Eles entraram armados na hora da sessão religiosa de um Candomblé. Eles urinaram nas imagens e dizendo que eles não permitiriam “bruxaria” naquela comunidade. Diziam eles: “Quebra tudo! Quebra tudo! Apaga as velas, porque o sangue de Jesus tem poder. Arrebenta as guias todas. Todo mal tem que ser desfeito, em nome de Jesus! Quebra tudo porque a senhora é o demônio-chefe. É a senhora que patrocina essa cachorrada (...) é só uma conversa que eu estou tendo com vocês, na próxima vez eu mato!”
Vamos analisar pela visão espírita esse fato lamentável? Primeira coisa que observamos é que uma pessoa que se intitula “evangélica” deveria seguir os ensinamentos do evangelho. E em parte alguma dos ensinamentos do Cristo ele pediu ou ensinou a ser intolerante com quem quer que seja. Sua doutrina é de amor e paz. Jesus sabia a falha moral de cada um que conviveu com ele, mas não discriminou ninguém. Comeu na casa de um explorador do povo, defendeu uma prostituta, escolheu 12 apóstolos para Lhe acompanhar e dar continuidade aos seus ensinamentos, sabendo que cada um deles tinha seus defeitos, pediu que Deus perdoasse aqueles que o crucificaram e não obrigou ninguém a seguí-Lo ou aceitá-Lo. Se Ele estivesse entre nós, será que ele subiria o morro e quebraria as “biqueiras” dos traficantes e gritaria: “Vou quebrar tudo, destruir essas drogas do demônio que estão matando meus irmãos, fazendo desordem na sociedade, desfazendo famílias, insuflando violência. E os senhores “traficantes” são os demônios-chefes. Vocês patrocinam tudo isso. Dessa vez passa, mas da próxima eu mato!” Ou então, entrasse nas casas evangélicas e gritasse: “Vou quebrar tudo! Vocês estão vendendo meus ensinamentos para enriquecer. Vocês são os vendilhões do templo do século XXI.” O que será que aconteceria com Jesus? Nós já podemos imaginar, não é? O crucificariam novamente. Mas, a recomendação Dele é sempre de amor: "retribua o mal com o bem", "amai o vosso inimigo", “faça ao teu próximo o que gostaria que teu próximo fizesse a você.” Portanto, o que os “traficantes evangélicos” e todos os fanáticos e intolerantes religiosos deveriam lembrar é que todos temos telhado de vidro, ou seja, todos temos falhas a corrigir. Quando apontamos erro na atitude dos outros, muitos outros estão apontando erro nas nossas atitudes. Uma boa religião ou religioso não separa, agride, ameaça de morte os filhos de um mesmo Pai. Sabemos que, nem todo evangélico ou pastor evangélico compactua com essa atitude, graças a Deus. Faz parte da interpretação que cada um faz dos textos evangélicos. Mas precisamos colocar o fato ocorrido para debatermos de maneira cristã, sem ódio, sem intolerância com quem ainda não entendeu o que o Cristo veio ensinar, para que possamos difundir o verdadeiro Cristianismo e, quem sabe, tocar o coração de alguém para que mude seu modo intolerante de agir. Oremos aos irmãos agressores, como recomendou o Cristo: "Orai pelos que vos perseguem." E oremos aos irmãos agredidos. E vamos finalizar lembrando a recomendação de Jesus: “Meus discípulos serão conhecidos por muito se amarem.” (Jo 13:35). Pensemos nisso!

Rudymara





quarta-feira, 13 de setembro de 2017

11 DE SETEMBRO DE 1983 E 11 DE SETEMBRO DE 2001



11 de setembro de 2001 morreram quase 3 mil pessoas em Nova York com os ataques ou atentados terroristas contra os Estados Unidos coordenados pela organização fundamentalista islâmica al-Qaeda. 
No dia 11 de setembro de 1973 no Chile, a soma de mortos foi maior, 30 mil assassinados. Os Estados Unidos, por interesse econômicos, apoiou as Forças armadas do Chile para depor o presidente Salvador Allende. Este foi morto e uma junta militar liderada por Augusto Pinochet estabeleceu uma rígida ditadura, um dos mais violentos regimes ditatoriais latino-americana.
Kardec perguntou na questão 743: “O que é que estimula o homem à guerra?” E os espíritos responderam: “Predominância da natureza animal sobre a natureza espiritual e transbordamento das paixões. No estado de barbaria (selvageria, crueldade), os povos um só direito conhecem - o do mais forte. Por isso é que, para tais povos, o de guerra é um estado normal. À medida que o homem progride, menos frequente se torna a guerra...” Mas, para progredirmos, é preciso agirmos. E isso só acontecerá quando cortarmos “A Corrente do Mal” nos filmes, esportes, novelas, desenhos “animados”, jogos eletrônicos, política, jornalismo, em nossas ações. Kardec também perguntou na questão 629: "O que é o Bem e o que é o Mal?" E os espíritos responderam: “O Bem é proceder de acordo com a Lei de Deus; e o Mal é desrespeitá-la.” Como disse Gandhi: "Sejamos a mudança que queremos ver no mundo", ou seja, se queremos um mundo sem violência, não compactuemos com ela, de maneira direta ou indireta. Pensemos nisso!


Rudymara




POR QUE AS ENCHENTES, TERREMOTOS, TUFÕES, ETC.?



EXPLICA RICHARD SIMONETTI: Seriam casuais os flagelos devastadores, como tufões, tempestades, nevascas, secas, enchentes, etc? Para o materialista, certamente. Mas o religioso, que concebe a onisciência e onipotência de Deus, não pode desenvolver semelhante raciocínio, que equivaleria ao reconhecimento de que a Natureza escapa ao comando divino. Ele controla os fenômenos naturais, contando com a participação de seus prepostos. Como explica os espíritos na questão 737 do O livro dos Espíritos, os flagelos destruidores beneficiam fisicamente o planeta, principalmente na renovação de sua atmosfera, mas, sobretudo, impõem um agitar das consciências humanas, tanto para aqueles que desencarnam em circunstâncias dolorosas e traumáticas, quanto para os que colhem as consequências da devastação ocasionada. Experiências assim representam a oportunidade de resgate de seus débitos do pretérito, ao mesmo tempo em que fazem sua iniciação nos domínios da solidariedade. As vítimas das grandes calamidades tornam-se menos envolvidas com as ilusões, mais dispostas a ajudar o semelhante, após sentirem na própria carne a dor que aflige seus irmãos. A Lei de Destruição funciona, também, para conter os impulsos desajustados da criatura humana (com a Natureza, com o corpo físico, etc.). Oportuno recordar que determinados surtos de progresso para a humanidade são marcados por flagelos terríveis que dizimam populações imensas. (...) Exemplo típico foi a Peste Negra, no século XIV, enfermidade mortal provocada por um bacilo que se instalava nos aparelhos digestivo e circulatório, eliminando suas vítimas em poucos dias. Disseminada pelo Oriente e pela Europa, exterminou perto de vinte e cinco milhões de pessoas, em plena Idade Média, um período de obscurantismo, em que a civilização ocidental parecia imersa em trevas. No entanto, após a Peste Negra floresceu o Renascimento, um abençoado sopro de renovação cultural e artística, como o alvorecer de radioso dia precedido de devastadora tempestade noturna. 
OBSERVAÇÃO DE RUDYMARA: Há tragédia que não há quem culpar diretamente. Os terremotos, por exemplo, são fenômenos naturais. As chuvas abundantes no Brasil também são naturais, entretanto, o impedimento da água ir embora quando chega ao solo ocorre pelo erro humano de juntar lixo nos bueiros, além da gestão pública não planejar o escoamento de grandes cidades como São Paulo.
No caso de Angra dos Reis em 2010, e no Rio de Janeiro em 2011, a situação era evitável. O homem, por não ter onde morar arrisca construir nas encostas e morros. Outros constroem pousadas e restaurantes explorando a bela visão dos morros ou da beira do mar. Qualquer um sabe que esses locais são inapropriados para a habitação humana. Com o excesso de chuvas e o desmatamento o morro não aguenta a água acumulada então os desmoronamentos ocorrem sem piedade.
A cidade histórica de São Luiz do Paraitinga também foi castigada em 2010. Além de mortes, vários documentos históricos foram perdidos e a igreja central veio abaixo. Os especialistas do Vale do Paraíba disseram que não era possível evitar a tragédia e a região faz planos para o futuro próximo como a instalação de um sistema de telemetria, para monitorar os níveis do Rio Paraitinga e também a implantação de bacias de detenção nos afluentes dos rios. A palavra certa para isso é Planejamento.
Nessas tragédias observamos quem se solidariza com a dor de quem perdeu entes queridos, casas ou outros bens materiais e, quem explora a dor dessas pessoas. Há quem arrecade donativos para quem perdeu tudo e há quem desvie donativos arrecadados, quem suba o preço dos alimentos, água e outros itens de necessidade para quem precisa repor o que perdeu. 
Então, estas tragédias devem servir para despertar a obrigação de cada um com este mundo. Exemplo: não jogar lixo nos rios, córregos e bueiros; não construir em áreas de risco; não devastar a Natureza; ter vontade política para prevenir a morte de muitas pessoas, ser solidário com a dor do próximo, etc. Serve também para observarmos que não temos nada, apenas utilizamos o que Deus nos empresta. Se hoje temos algo "para utilizarmos", amanhã o vento, o tremor de terra, etc., pode levar tudo. Ensina a sermos mais humildes, pois muitos só vestem roupas de marca, exigem a melhor comida e não ajudam ninguém e nenhuma instituição, mas, quando precisam comer e vestir o que ganham das doações, passam a dar valor às coisas, e observam a importância de doar coisas para quem tem menos que eles. Enfim, a dor e o sofrimento obrigam a fazermos reflexões, mudanças de comportamento e a observarmos que, nascemos para evoluir. E quem não busca evoluir pelo amor será impulsionado a evoluir pela dor. Pensemos nisso!



terça-feira, 12 de setembro de 2017

REVIDAR OU PERDOAR?


"SE REVIDAS O MAL ÉS IGUAL O OFENSOR." - Joanna de Ângelis 
Um jovem de 19 anos matou quatro pessoas atropeladas na rodovia Geraldo Scavone (SP-66), que liga Jacareí a São José dos Campos (07/09/2017). Ele foi preso e vai responder em liberdade pelo crime de homicídio com dolo eventual, quando a pessoa assume o risco de matar. Nove homens foram detidos pela Polícia Militar na noite desta segunda-feira (11) próximo à casa do rapaz. A polícia informou que um grupo de aproximadamente 20 pessoas, em 15 motos, foi até a casa da família do rapaz que atropelou por volta de 20h, com pedaços de pau, pedras, latas de spray e garrafa com combustível.
Mais de 30 ligações foram recebidas pela central da PM alertando sobre a tentativa do grupo de entrar na casa. A polícia foi até o local e algumas pessoas fugiram. Nove homens foram abordados e oito motos apreendidas.
Vamos colocar aqui a visão espírita do fato?
O jovem está sendo investigado e tem suas responsabilidades sobre a morte dessas pessoas. Mas, o que geralmente esquecemos de observar é a atitude das pessoas que tentam, numa situação como essa, a fazer justiça com as próprias mãos. Será que vale a pena revidar o mal com o mal? Quem age com violência não está cometendo o mesmo crime do ofensor? Sim. Como disse Joanna de Angelis "Se revidas o mal és igual o ofensor." A Justiça divina irá julgar da mesma forma. Pois a lei divina pede para perdoar ou, no mínimo, relevar. Quem deve dar a sentença é a lei dos homens, mesmo que essa seja injusta e, mais tarde a lei de Deus. Uma reação violenta pode causar decênios de sofrimento para consertar o estrago. No livro Ação e Reação, de André Luiz, cap. IX, diz Silas, um médico dedicado da espiritualidade: “A ação do mal pode ser rápida, mas ninguém sabe quanto tempo exigirá o serviço da reação, é indispensável ao restabelecimento da harmonia soberana da vida, quebrada por nossas atitudes contrárias ao bem . . .”
Então, pensemos muitas vezes antes de agir ou reagir.


Rudymara



terça-feira, 5 de setembro de 2017

QUAL A APARÊNCIA DE JESUS?



Foi encontrada uma carta do senador Publius Lentulus Cornelius (Emmanuel em uma de suas encarnações) nos arquivos do Duque de Cesadini na cidade de Roma, enviada pelo senador em Jerusalém na época de Jesus, que havia sido endereçada ao imperador romano Tibério César.
Nela, há uma descrição física e moral de Jesus feita pelo senador. O texto original encontra-se na biblioteca do Vaticano. A carta é a seguinte:

“Sabendo que desejas conhecer quanto vou narrar, existindo nos nossos tempos um homem, o qual vive atualmente de grandes virtudes, chamado Jesus, que pelo povo é inculcado o profeta da verdade, e os seus discípulos dizem que é filho de Deus, criador do céu e da terra e de todas as coisas que nela se acham e que nela tenham estado; em verdade, ó César, cada dia se ouvem coisas maravilhosas desse Jesus: ressuscita os mortos, cura os enfermos, em uma só palavra: é um homem de justa estatura e é muito belo no aspecto, e há tanta majestade no rosto, que aqueles que o veem são forçados a amá-lo ou temê-lo. Tem os cabelos da cor amêndoa bem madura, são distendidos até as orelhas, e das orelhas até as espáduas, são da cor da terra, porém mais reluzentes.
Tem no meio de sua fronte uma linha separando os cabelos, na forma em uso nos nazarenos, o seu rosto é cheio, o aspecto é muito sereno, nenhuma ruga ou mancha se vê em sua face, de uma cor moderada; o nariz e a boca são irrepreensíveis.
A barba é espessa, mas semelhante aos cabelos, não muito longa, mas separada pelo meio, seu olhar é muito afetuoso e grave; tem os olhos expressivos e claros, o que surpreende é que resplandecem no seu rosto como os raios do sol, porém ninguém pode olhar fixo o seu semblante, porque quando resplende, apavora, e quando ameniza, faz chorar; faz-se amar e é alegre com gravidade.
Diz-se que nunca ninguém o viu rir, mas, antes, chorar. Tem os braços e as mãos muito belos; na palestra, contenta muito, mas o faz raramente e, quando dele se aproxima, verifica-se que é muito modesto na presença e na pessoa. É o mais belo homem que se possa imaginar, muito semelhante à sua mãe, a qual é de uma rara beleza, não se tendo, jamais, visto por estas partes uma mulher tão bela, porém, se a majestade tua, ó César, deseja vê-lo, como no aviso passado escreveste, dá-me ordens, que não faltarei de mandá-lo o mais depressa possível.
De letras, faz-se admirar de toda a cidade de Jerusalém; ele sabe todas as ciências e nunca estudou nada. Ele caminha descalço e sem coisa alguma na cabeça. Muitos se riem, vendo-o assim, porém em sua presença, falando com ele, tremem e admiram.
Dizem que um tal homem nunca fora ouvido por estas partes. Em verdade, segundo me dizem os hebreus, não se ouviram, jamais, tais conselhos, de grande doutrina, como ensina este Jesus; muitos judeus o têm como Divino e muitos me querelam, afirmando que é contra a lei de Tua Majestade; eu sou grandemente molestado por estes malignos hebreus.
Diz-se que este Jesus nunca fez mal a quem quer que seja, mas, ao contrário, aqueles que o conhecem e com ele têm praticado, afirmam ter dele recebido grandes benefícios e saúde, porém à tua obediência estou prontíssimo, aquilo que Tua Majestade ordenar será cumprido.


ATENÇÃO: Nós espíritas não nos importamos qual era a aparência de Jesus. Como disse Chico Xavier quando perguntaram sobre a natureza do corpo de Jesus: 
- Jesus é como o Sol num dia de céu azul, e nós somos apenas palitos de fósforo acesos, à hora do meio-dia. O que é importante saber, e discutir, é sobre os seus ensinamentos e sua Vivência Gloriosa. 
De fato, a Humanidade tem deixado de lado os Ensinamentos Morais do Cristo, para discutir coisas que em nada nos modifica as disposições interiores, como a natureza de seu corpo, sua aparência, etc. Somos ainda pequeninos “palitos de fósforo acesos, à hora do meio-dia”, e distantes nos encontramos de absorvermos todas as verdades contidas no Universo, para nos determos nestas questões que a muitos ainda confundem.
Certamente, vivenciando seus ensinamentos e crescendo em Espírito e Verdade, futuramente teremos condições de apreender todo este conhecimento por processos naturais(...)





sábado, 2 de setembro de 2017

HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DO PAI


Nenhum texto alternativo automático disponível.



Deus criou o Universo.
Nesse Universo há incontáveis mundos. 
Mundos de vários graus de evolução. Muitos mundos primitivos, muitos mundos de provas e expiações, muitos de regeneração, muitos ditosos e felizes e muitos divinos ou celestes. Por que os mundos são de diferentes graus de evolução? Porque muitos mundos foram criados antes do nosso, outros depois do nosso e outros ainda serão criados, porque Deus cria incessantemente. Mas, os mundos são criados para que? Para enfeitar o Universo? Será que só nosso planeta tem vida? Não. Jesus afirmou que "Há muitas moradas na casa do Pai". E onde é a casa do Pai? O Universo. Então, "há muitas moradas no Universo." E os espíritos disseram à Kardec na questão 55 OLE que: "são habitados todos os mundos que se movem no espaço; que só o orgulho e a vaidade podem sustentar a ideia de que nós estamos solitários no Universo." Jesus, por exemplo, evoluiu em outro planeta que foi criado muito antes do nosso. Quando Jesus estava num grau muito elevado de evolução, Deus o incumbiu de tomar conta de um planeta que estava nascendo, e esse planeta é o nosso planeta Terra. Ele viu o nascimento do nosso planeta, o dirige até hoje e ficará conosco até precisarmos dele. Portanto, Jesus não foi criado com certa evolução. Deus cria todos iguais, simples e ignorante para passar pela escala evolutiva até chegar a angelitude. Ele não privilegia ninguém. 
Nosso planeta, no início, foi uma bola de fogo, através de milênios essa bola de fogo foi esfriando e o ar foi ficando respirável. Daí, no decorrer de muitos séculos, surgiram as rochas, o solo, a água, as plantas, os animais e depois o ser humano. 
Nessa fase nosso planeta se chamava MUNDO PRIMITIVO, onde os moradores (que somos nós no passado) viviam em cavernas. Através da reencarnação esses homens primitivos foram evoluindo e chegaram ao que somos hoje, e o planeta evoluiu junto com esses habitantes e deixou de ser um mundo primitivo para se tornar um MUNDO DE PROVAS E EXPIAÇÕES. 
Mas, o que é prova e o que é expiação? 
Prova é o resgate "escolhido" por espíritos conscientes de seus débitos e necessidades, para que ele possa superar suas tendências inferiores. 
Expiação é o resgate "imposto" pela Justiça Divina a espíritos teimosos.
Mas já estamos deixando de ser um MUNDO DE PROVAS E EXPIAÇÕES para ser um MUNDO DE REGENERAÇÃO. E para que isso aconteça, os moradores deverão se regenerar. Os teimosos e rebeldes em seguir a lei de Deus, que não respeitam a própria vida, a vida do próximo, os animais, a Natureza, não encarnarão mais aqui. Irão encarnar em um dos mundos de provas e expiações que há nesse Universo até que sejam dignos de viver em um mundo melhor. Se ficarem aqui atrapalharão a evolução do planeta. Essa é a separação "simbólica" do joio e do trigo que Jesus mencionou.

Texto de Rudymara


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

OS ESPÍRITAS PAGAM O DÍZIMO?


Disse Jesus: “AI DE VÓS, ESCRIBAS E FARISEUS, HIPÓCRITAS! POIS QUE DIZIMAIS A HORTELÃ, O COENTRO E O COMINHO, E DESPREZAIS O MAIS IMPORTANTE DA LEI, QUE É: O JUÍZO, A MISERICÓRDIA E A FÉ; DEVEIS, PORÉM, FAZER ESTAS COISAS, SEM DEIXAR AQUELAS.” (Mt 23.23a). Aqui Jesus explica que não adianta pagarmos o dizimo, seja de que forma for, se deixarmos de lado o mais importante que é a “reforma íntima”, a moralização de nossos atos, pensamentos e palavras. Mas infelizmente, existem aqueles que exploram a boa fé das pessoas com promessas e recompensas extraordinárias. Ensinando os fiéis a barganhar com Deus. Isto faz com que alguns vejam o dizimo como uma moeda de troca ou obrigação. Além do mais, como podemos barganhar com Deus usando coisas que são Dele? Então, afirmações como: "VOU DAR O DÍZIMO PARA NÃO FICAR DESEMPREGADO; VOU DAR O DIZIMO PARA NÃO FICAR DOENTE; VOU DAR O DÍZIMO PARA FICAR RICO”, são afirmações errôneas e contrárias aos ensinamentos de Jesus. O dizimo deve ser dado com gratidão sem se pensar em qualquer tipo de retorno da parte de Deus e não deve ser dado simplesmente por medo de não ser abençoado. Devemos observar que encontramos pessoas doentes e saudáveis, desempregados e empregados, pobres e ricos em todas religiões, pagando ou não o dízimo.
O apóstolo Paulo também falou sobre o dízimo e explicou que este deveria ser uma ação de amor, generosidade e alegria: "(...) CADA UM CONTRIBUA SEGUNDO TIVER PROPOSTO NO CORAÇÃO, NÃO COM TRISTEZA OU POR NECESSIDADE; PORQUE DEUS AMA A QUEM DÁ COM ALEGRIA (...)"- (2 Co 9.6-90). E é esse o entendimento do espírita para o dízimo, uma doação espontânea em dinheiro e/ou trabalho. Sem definição de quantidade (10%) ou obrigatoriedade, as doações devem ser segundo o desejo de cada um pela alegria de ajudar a divulgar o ensinamento do Cristo pela visão espiritual. Os frequentadores e trabalhadores de um Centro Espírita sabem das dificuldades para manter uma casa espírita. Mas a Casa não pede ou obriga ninguém a pagar. Por isso, os que entendem a importância do trabalho que o Espiritismo realiza, contribuem mensalmente com pequenas quantias (R$ 5,00, R$ 10,00 ou mais) que são de grande valor para as contas da casa. Se a doação for em dinheiro, este será usado na manutenção da casa espírita (água, luz, produto de limpeza e higiene, copinhos plásticos, etc.), no material que ajudará na divulgação e entendimento do Evangelho segundo a visão espírita (panfletos, jornais, rádio, TV, etc.), mas principalmente no auxilio aos irmãos mais carentes de qualquer religião (remédio, roupa, cestas básicas, etc.). Ninguém vive do Espiritismo, mas sim para ele. O dinheiro deve ser para a obra de caridade. Os trabalhadores espíritas são voluntários sem remuneração material, só espiritual. Temos como exemplo Chico Xavier. Este viveu do salário de seu trabalho como servidor público. Todo dinheiro da venda dos livros psicografados por ele era e ainda é destinado a obras de caridade. Tudo registrado em cartório. Toda doação e presentes que ele recebia era repassado a instituições e pessoas carentes. Mas lembremos que, se a doação dos frequentadores for através do trabalho, isso significa disponibilizarmos algum tempo em serviço voluntário destinado a Caridade. Mas a Doutrina ensina como devemos fazer doações. Ela pede que, ao nos comprometermos em ajudar, seja com dinheiro ou trabalho, devemos cumprir o quanto possível com o compromisso livremente assumido. Que não devemos começar a fazer algo por empolgação ou assumir dois ou mais trabalhos e faltarmos por qualquer motivo. É preferível escolhermos apenas um e fazer bem feito. Devemos ser assíduos com o trabalho que alimenta o espírito como somos com o trabalho que nos garante o pão do corpo. Afinal, o cristianismo exalta a responsabilidade, o cumprimento da palavra e do dever. Pois a instituição passa a contar com nossa ajuda e se falharmos, sobrecarregaremos alguém seja no trabalho ou na parte financeira. Portanto, CARIDADE é o dízimo que Deus espera de nós e é o que os espíritas ofertam (ou estão aprendendo a ofertar) a Ele através do próximo, seja ele espírita ou não. Não esperemos alguém nos pedir ou a dor nos motivar, usemos nosso discernimento e ofertemos nossa ajuda material e/ou espiritual.


Texto de Rudymara