quinta-feira, 22 de junho de 2017

A BÍBLIA CONDENA O ESPIRITISMO?


Quando alguém diz "a Bíblia condena o Espiritismo" eu pergunto: "Como a Bíblia pode condenar o Espiritismo se ela foi escrita muito antes do Espiritismo surgir?" A Bíblia foi escrita ao longo de 1571 anos (quase 16 séculos), começou por Moisés em 1437 a.C., até João em 98 d.C.. e o Espiritismo surgiu em 1857 e é uma palavra criada por Kardec.
Daí alguém diz "Em Deuteronômio 18 diz: "Nunca exista entre vós quem consulte adivinhos, quem observe sonhos e agouros, quem use de malefícios, sortilégios, encantamentos, ou consultem os que têm o Espírito pitônico e se dão a práticas de adivinhação interrogando os mortos. O Senhor abomina todas essas coisas e destruirá, à vossa entrada, as nações que cometem tais crimes." 
E eu digo:
- Não temos adivinhos no Espiritismo, não interpretamos sonhos e agouros (como fez José, filho de Jacó). Não fazemos o mal, pelo contrário, nosso lema é "fora da caridade não há salvação" e nosso guia e modelo a ser seguido é Jesus. Como dizer que "seguimos Jesus" que nos ensinou a perdoar sempre, amar até o inimigo, retribuir o mal com o bem, etc. e fazermos mal a alguém? Seríamos hipócritas. Não lemos a sorte, não fazemos encantamentos e não consultamos espíritos para que adivinhem nada, se isso fosse possível, os espíritas estariam ricos, pois pediriam o número da Mega Sena. E Jesus evocou 2 mortos no monte Tabor: Moisés e Elias. O rei Saul buscou uma médium para conversar com Samuel que já estava “morto”. Essa passagem está em I Samuel, cap. 28: vv 8 á 15. E Kardec os evocou para fazer perguntas para que tivéssemos informações edificantes sobre o mundo espiritual que complementam os ensinamentos do Cristo. E não acreditamos que Deus abomine nada. Ele instituiu o livre arbítrio. Nos concede aprender com os erros porque sabe de nossas limitações. Sua lei é de plantio e colheita. E essa lei citada não é de Deus, é de Moisés. Ele escreveu leis para conter a ignorância daquele povo da época. As únicas leis que são de Deus e que estão no antigo testamento são os 10 mandamentos. Tanto é verdade que a punição de muitas leis de Moisés é "a morte" e um dos 10 mandamentos diz "não matarás." Se todas as leis fossem de Deus, Ele seria contraditório, não é? Daí eu pergunto "será que essas pessoas que nos recriminam seguem todas as leis de Moisés?" Uma delas diz "Os filhos desobedientes e rebeldes, que não ouçam seus pais e se comprometam no vício, serão apedrejados até a morte" e está em Deuteronômio, 21: 18-21. Quem segue? Espero que ninguém. Por isso os espíritas seguem apenas o novo testamento. Jesus resumiu A LEI (os 5 primeiros livros do antigo testamento onde estão as leis escritas e recebidas por Moisés) e OS PROFETAS (os outros livros do antigo testamento atribuídos aos profetas Isaías, Ezequiel, etc) na seguinte lei: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos." Por que? Porque ainda é muito difícil segui-las. Para amar Deus precisamos amar tudo que Ele criou e para amar o próximo como a nós mesmos significa fazermos a ele o que queremos que ele nos faça. Então, antes de ficarmos discutindo e decorando leis do antigo testamento, tentemos seguir essas duas. Pensemos nisso! 


Texto de Rudymara



quarta-feira, 21 de junho de 2017

A RAIVA


Reagir no momento de raiva pode gerar consequência triste, difícil e dolorosa no futuro. Nessa ou em outra encarnação. Muitos agridem, ferem, matam, traem, se vingam, desfazem relacionamentos amorosos e familiares, perdem amizades, enfim, prestemos atenção no alerta de Kardec: "Nunca aja por impulso de uma raiva,ela nos leva a fazer coisas das quais iremos realmente nos arrepender.”

Rudymara



domingo, 18 de junho de 2017

JESUS É O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA


CARIDADE


SEMEADURA E COLHEITA


quinta-feira, 15 de junho de 2017

PEQUENAS DOAÇÕES


Não subestime as chamadas "pequenas doações".
o —
O prato frugal que você oferece ao necessitado será provavelmente o recurso de que precisa a fim de liberar-se dos últimos riscos da inanição.
o —
A peça de vestuário que você entregou ao companheiro em penúria terá representado o apoio providencial com que se livrou de moléstia grave.
o —
A reduzida poção de remédio que conseguiu você doar em favor de um doente foi talvez o socorro que o auxiliou a desviar-se do derradeiro corredor em que resvalaria para a morte.
o —
A visita rápida que você levou ao enfermo pode ter sido o estímulo inesperado que o arrancou do desânimo para os primeiros passos, em demanda ao levantamento das próprias forças.
o —
O bilhete ligeiro que você endereçou ao irmão em dificuldade, ofertando-lhe reconforto, possivelmente se transformou na âncora em que haverá retomado o acesso à esperança.
o —
O minuto de tolerância com que você suportou a exigência de uma pessoa, em difícil conversação, haverá sido aquele que a ajudou a descompromissar-se com um encontro desagradável ou com determinado acidente.
o —
Algumas poucas frases num diálogo construtivo serão o veículo pelo qual o seu interlocutor evitará render-se a idéias de suicídio ou delinquência.
o —
Os seus instantes de silêncio caridoso, à frente desse ou daquele agressor, significarão o amparo de que não prescinde, a fim de aceitar a necessidade da própria renovação.
o —
Não menospreze o valor das mini doações.
O seu concurso supostamente insignificante pode ser o ingrediente complementar que esteja faltando em valiosa peça de salvação.

André Luiz



terça-feira, 13 de junho de 2017

TERAPÊUTICA CONTRA O TÓXICO



Divaldo, qual a melhor terapêutica contra os tóxicos?

A do exemplo no lar. A apresentada pela sociedade familiar. A que decorre do Evangelho vivido em casa. Um velho adágio popular afirma com muita sabedoria: "Casa de pais, escola de filhos". O lar não é, apenas, o primeiro santuário, mas, também, o primeiro educandário.
Há excepções, mas estas são o corolário da regra geral.
Se há lares equilibrados onde, ainda assim, os jovens se desarmonizam, imaginemos se eles tivessem encontrado um lar em intranquilidade! Se, diante da medicação salutar, eles permanecem enfermos, tenhamos em mente o seu estado, caso não recebessem a conveniente terapêutica!
No lar, através do exemplo dos pais, se consolidam as disposições positivas dos filhos e se diluem as suas tendências negativas.
A problemática dos tóxicos, de certo modo, é uma decorrência do contexto anárquico da sociedade atual, do desvalor dos valores morais (...)

Extraída do livro "Perguntas & Lições", de Divaldo Franco


Observação de Rudymara: Muitos pais bebem, fumam, ou seja, fazem uso de tóxicos dentro do lar e depois querem aconselhar os filhos para que não usem. A bebida alcoólica é o primeiro passo para o jovem começar o uso de outras drogas. Como disse Chico Xavier: “Nossos filhos são tesouros e ao mesmo tempo, tesouras para cortarem nossas arestas . . .” , ou seja, devemos pensar antes de agir ou falar perto de nossos filhos. 


A LEI DO OLHO POR OLHO DEVE ACABAR


Estamos vivendo uma época onde as drogas estão, infelizmente, dominando os jovens. E o vício está levando estes jovens a delinquência. Esse rapaz da foto foi tatuado na testa por tentar ou por supor que ele iria roubar uma bicicleta, ele é um de muitos que vemos nos noticiários todos os dias. A sociedade está cansada e revoltada e alguns querem fazer justiça com as próprias mãos. Mas, quem faz tal "justiça" se iguala tal qual o delinquente. Lógico que somos a favor de aplicar a Justiça dos homens, devemos pagar pelos nossos erros, mas não somos a favor de fazer justiça pelas próprias mãos. Para quem é cristão a lei do OLHO POR OLHO, da época de Moisés, deve acabar. A lei que Jesus veio trazer é a LEI DE AMOR. Onde Ele ensinou que devemos amar nossos inimigos, devolver o mal com o bem, perdoar sempre, só deve atirar a primeira pedra quem nunca errou ou quem não tem alguém na família que não caiu em algum erro, fazer ao próximo o que queremos que nos faça ou aos que nos são caros. Enfim, um erro não se justifica outro erro. Como disse Jesus: “Nem todos os que me dizem: Senhor! Senhor! entrarão no reino dos céus, mas somente aqueles que fazem a vontade de meu Pai...” E como disse Simeão no O Evangelho segundo o Espiritismo: "Bastará dizer: “Sou cristão”, para que alguém seja um seguidor do Cristo? Procurai os verdadeiros cristãos e os reconhecereis pelas suas obras." Não devemos nos esquecer que quem compra produto roubado também deveria ser punido severamente pela lei dos homens, porque é o grande incentivador de roubos. Duas perguntas: "Se esse rapaz fosse irmão, amigo ou parente do tatuador, será que ele teria feito a tatuagem?" "Se Deus tatuasse em nossa testa nossos erros, será que teríamos testa suficiente?"  Exemplo: "Eu sou receptador de produtos roubados." "Eu não devolvo troco que recebo a mais."; "Eu paro em vaga de idoso e deficiente sem ser nenhum dos dois.", etc etc etc. Pensemos nisso, cristãos!

Rudymara



sexta-feira, 9 de junho de 2017

SOLIDARIEDADE


Todos temos algo para dividir, doar e compartilhar. Um pouquinho de cada um pode fazer a diferença na vida de alguém. Um sorriso, um abraço, uma palavra de carinho, uma peça de roupa, um lanche... Amar o próximo é amar-se, pois tudo que fizermos ao menor dos irmãos de Jesus, que também é nosso irmão, é a nós que estaremos fazendo. Então, eduque seu filho para ser amigo(a), solidário, bondoso, carinhoso, caridoso, enfim, desenvolva nele os melhores sentimentos. Eduque com palavras mas, principalmente com seu exemplo. Só assim construiremos um mundo melhor...

Rudymara



AUTO ILUMINAÇÃO


Muitos acham que nascem para curtir a vida nas festas, viagens, etc. Vai protelando sua evolução, até o dia que se depara, no plano espiritual com sua consciência cobrando o tempo perdido. Daí, é tarde demais. Como disse Chico Xavier: “Dos companheiros espíritas desencarnados que tenho visto, nenhum está satisfeito consigo mesmo – todos eles tem se queixado da sua falta de empenho no melhor aproveitamento do tempo.”.... Disse André Luiz: "Todas as criaturas gozam o tempo, raras aproveitam-na."....."Tempo é tesouro divino em nossas mãos, contudo somente vale se lhe damos valor."...Disse Emmanuel: "Faze o Bem agora, "depois" significa fora do tempo, ou tarde demais."....Aviso temos bastante, resta aproveitarmos as lições que não são para serem decoradas ou admiradas, mas vivenciadas. As lições que não fizermos nesse encarnação, teremos que fazer em outra. E elas poderão vir em forma de dores e aflições, como disse Chico Xavier: "Agradeço todas as dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar. As facilidades nos impedem de caminhar." Então, não esperemos as dores para nos impulsionar a andar. 

Rudymara


quinta-feira, 8 de junho de 2017

CORPO SEM ATIVIDADE ENFRAQUECE, A MENTE SEM TREINO NÃO SE EXPANDE, E A ALMA SEM TRABALHO NÃO CRESCE.


Assim como o corpo se desenvolve com exercícios físicos, o espírito também precisa se exercitar em seu aspecto transcendental. 
Veja alguns exercícios espirituais sugeridos por Irmão José:

 
UM PRATO DE SOPA AO FAMINTO.
UMA VISITA AO DOENTE.
UMA PALAVRA DE ÂNIMO AOS DESESPERANÇADOS.
UM MINUTO DE ATENÇÃO A QUEM NECESSITE SER OUVIDO.
UMA GENTILEZA NA VIA PÚBLICA.
UM SORRISO, AINDA QUE DISCRETO, A QUEM, HÁ MUITO, ESTEJA ESPERANDO POR ELE.
UM GESTO DE RECONCILIAÇÃO COM O ADVERSÁRIO.

De: José Carlos de Lucca



É PRECISO SABER VIVER



O rico, da parábola "O rico e Lázaro", contada por Jesus, sofreu muito após a sua desencarnação (morte). Porque enquanto estava encarnado (vivo) ele se vestia de púrpura e de linho finíssimo, e todos dias se banqueteava esplendidamente, mas não dava uma migalha de sua mesa ao mendigo chamado Lázaro, que era coberto de chagas e ficava deitado no seu portão enquanto os cães vinham lamber-lhe as úlceras. Quando o mendigo desencarnou (morreu), foi levado pelos anjos para o seio de Abraão. E o rico sofreu os tormentos do remorso a queimar-lhe a consciência. Por isso, rogou que Moisés mandasse alguém avisar seus 5 irmãos encarnados (vivos) do seu sofrimento, para que eles mudassem seu comportamento para que não sofressem também. Mas Abraão disse: Eles têm Moisés e os Profetas: ouçam-nos. 
Jesus quis dizer que a vida continua após a morte do corpo físico. E se nós não queremos ter uma surpresa ruim ao desencarnar, comecemos a mudar agora. O rico da parábola tinha os ensinamentos de Moisés e os profetas a seguir e nós temos os de Jesus. Chega de adiarmos. Como disse Joamar Zanolini Nazareth: “O Espiritismo é uma doutrina que nos coloca no dever de sempre caminhar. Não nos pede santidade. Pede-nos apenas caminhar, e, a cada passo dado no rumo do progresso, surge o convite ao trabalho dentro do que já conquistamos, atribuindo oportunidades de adquirir as virtudes que ainda não trazemos na alma. O erro não está em ter imperfeições, mas em algemar-se à preguiça e não buscar melhorar-se.”
Então, como diz a letra da música da banda Titãs: "É preciso saber viver..." para que a vida após a vida não nos surpreenda. Como disse Emmanuel: "Viver, todos vivem, mas viver com consciência, é privilégio de poucos."


Texto de Rudymara



MALEDICÊNCIA


Reflexão para todo aquele que adora espalhar notícias que denigrem a vida alheia, incluindo o compartilhamento de certas notícias nas redes sociais que humilha a pessoa que é alvo da maledicência. Tais compartilhamentos ou comentários maledicentes também podem ter consequências perigosas como o linchamento e morte da pessoa. Pois lidamos com todo tipo de pessoa no dia a dia e nas redes sociais....Pense nisso! 



O MAL É AUDACIOSO E O BEM É TÍMIDO




Na questão 932 do O Livro dos Espíritos, Kardec pergunta:
- Por que, no mundo, frequentemente, a influência dos maus sobressai a dos bons? 
Os espíritos responderam:
- Por fraqueza dos bons o mal se sobressai. Os maus são intrigantes e audaciosos, os bons são tímidos. Quando o bem quiser, dominará.

Quando há um acidente na estrada muitas pessoas param e tiram foto da tragédia para depois chamar o SAMU.
As pessoas compartilham facilmente nas redes sociais o corpo do cantor autopsiado, piadas, pornografia, fofocas de pessoas públicas e outras futilidades que não acrescentam nada em nossa evolução.
Divulgam rapidamente o favelado que trafica, que rouba, mata ou virou um delinquente. Mas não mostra o favelado que estudou, se formou e que faz algo de bom. 
O TELETON tem que ficar 24 horas implorando para o povo ligar para ajudar a instituição. Mas, quando um reality show pede para ligar e votar em quem deve ficar ou sair, o programa ganha milhões em pouco tempo e alguém gasta mais de mil reais com ligações.
Quando alguém posta algum ato de caridade, poucos curtem ou compartilham, mas desgraça, tragédias, maledicências e coisas negativas recebem milhões de visualizações, compartilhamentos, curtidas e comentários.
Quando uma pessoa posta a caridade que fez com seu GRUPO religioso, as pessoas gritam dizendo ser vaidade e que caridade deve ser às escondidas senão não vale. Então seja vaidoso. Chame a atenção das pessoas para o bem, para o que é edificante, para o que é moral. 
A mídia só investe em programações escandalosas, brigas de família, tragédias, fofocas de artistas, etc., porque tem audiência. O bem e o mal estão dentro de nós. Quando mostrarmos que só aceitamos programações, músicas, entretenimento de cunho elevado, o mal deixará de existir. 
 O apóstolo Paulo disse: “Leia tudo e retenha o que for bom.”
A palavra “leitura”, segundo Emmanuel, não se restringe a ler um texto, um livro ou qualquer escrita. Mas, fazer uma leitura, avaliação, daquilo que lemos, vemos e escutamos. Só devemos dar importância e dar continuidade se for do bem.
O “bem” tem que ser mais audacioso que o “mal” para que o mundo seja melhor.

Texto de Rudymara


PRECISAMOS PEDIR MENOS E AGIR MAIS

 


Estamos em plena Nova Era. Em plena transição planetária. Por isso, as religiões precisam ajudar seus seguidores a melhorar suas atitudes em relação à sua vida e a dos outros. 
Chega de viciar seus fieis a buscarem religião com segunda intenção, somente com interesse de resolver problemas físicos e materiais.
Chega de buscar a voz de “espíritos” em consultas espirituais para saber coisas que a voz da nossa consciência pode responder.
Chega de querer afastar negatividade com amuletos, fórmulas mágicas, orações milagrosas. Quem atrai ou repele o mal são nossas atitudes.
Chega de pedir curas milagrosas do corpo físico aos céus sem se esforçar para cuidar da saúde física e espiritual. 
Chega de empurrar nossas culpas, falhas, erros, vícios aos desencarnados, aos pais ou a outra pessoa qualquer. 
Chega de buscar a casa espírita sem o propósito de buscar fora dela a reforma íntima. 
Chega de achar que agradamos Deus, Jesus ou os santos com rezas repetidas, frequentando um templo religioso, tomando hóstia ou passe, batizando, decorando a bíblia ou as obras básicas de Kardec. Já aprendemos que "fé sem obras é morta." 
Chega de pedir coisas para Deus e Jesus sem se esforçar em ouvir Seus pedidos para nós.
Somos hoje o que fizemos de nós ontem e seremos amanhã o que fizermos hoje. É o plantio e a colheita..
Moramos num planeta que abriga espíritos rebeldes e ignorantes, dentre eles estamos nós. Como querer ter pai, mãe, irmãos, filhos, etc., perfeitos?
Precisamos tirar lições dessa convivência.
Muitas vezes nos encontramos na família para aparar arestas que deixamos para trás no passado reencarnatório.
Temos que nos perguntar: Será que não fui um filho ingrato e relapso? Será que não fui um pai ou uma mãe irresponsável? Por que estas pessoas com quem convivo são assim? Por que eu sou assim? Onde devo ajudá-los? Como posso melhorar?
A maior cobrança deve vir de nós para nós. 
É hora de assumirmos responsabilidades, as consequências dos nossos atos.
Mas, onde devemos nos apoiar para pedir ajuda? No Evangelho de Jesus. Nele há as normas de conduta que nos fará responsáveis, fortes e úteis na Sua seara.

Texto de Rudymara





MORREU DESCANSOU?


APÓS A MORTE VAMOS PARA O CÉU OU INFERNO?

                          


O Espírito chamado Gotuzo, no livro Obreiros da Vida Eterna, descreve o que sofreu após a sua desencarnação. Ele aprendeu em sua religião aqui na Terra que iria para o céu após a morte. Mas, ao desencarnar não foi o que encontrou. Reclamou direitos e suplicou bênçãos que não merecia. Regressou ao templo religioso que frequentava e ninguém o identificou. Narrou ele:
(...) Desesperado, então, mergulhei-me por longos anos em dolorosa cegueira espiritual. E, francamente, rememorando fatos, rio-me, ainda hoje, da confiança ingênua com que cerrei os olhos no lar, pela última vez, O padre Gustavo prometia-me a convivência dos anjos – veja bem! – e asseverava-me que eu seria levado em triunfo aos pés do Senhor, e isso apenas porque legara cinco contos de réis à nossa antiga paróquia. Meus familiares acompanhavam, em pranto, nosso diálogo final, em que minha palavra sufocada comparecia, em monossílabos, de longe em longe, na extrema hora do corpo. No entanto, se era quase impossível para mim o comentário inteligente da situação, o pároco falava por nós ambos, explanando a felicidade que me caberia no Reino de Deus. Médico de curta jornada, mas de intensa observação, a moléstia não me enganou, mas, inexperiente nos assuntos da alma, confundiram-me plenamente as promessas religiosas. Penetrando o portão do sepulcro e não me sentindo na corte dos santos, voltei, copiando perigosas atitudes dos sonâmbulos, para interpelar (questionar) o sacerdote que me encomendara o cadáver às estações celestes. Incompreendido e cego, peregrinei por muito tempo, entre a aflição e a demência, nas criações mentais enganadoras que trouxera do mundo físico (...)
Emmanuel explica no prefácio do livro No Mundo Maior: (...) A morte a ninguém propiciará passaporte gratuito para a ventura celeste. Nunca promoverá compulsoriamente homens a anjos. Cada criatura transporá essa aduana da eternidade com a exclusiva bagagem do que houver semeado e aprenderá que a ordem e a hierarquia, a paz do trabalho edificante, são característicos imutáveis da Lei, em toda parte. Ninguém, depois do sepulcro, gozará de um descanso a que não tenha feito jus, porque “o Reino do Senhor não vem com aparências externas” (...)

Compilação de Rudymara 




MELHORE O MUNDO QUE EXISTE DENTRO DE VOCÊ



Muita gente quer que o mundo mude para melhor, mas poucos se melhoram. O mundo só irá melhorar quando melhorarmos o mundo que está dentro de nós. Precisamos de pessoas mais educadas, caridosas, tolerantes, pacíficas, honestas, com menos rancor, ódio, revide, falsidade, mentira, traição, enfim, que pense e se coloque no lugar das pessoas antes de falar e agir. 

Rudymara 



O ESPÍRITA TOMA BEBIDA ALCOÓLICA?


A doutrina espírita não proíbe nada, apenas explica o significado do alerta do apóstolo Paulo:“NÓS PODEMOS TUDO, MAS NEM TUDO NOS CONVÉM”. O Espiritismo prega o livre arbítrio, mas quem realmente estuda a doutrina se esforça para abolir tudo que lhe faz mal para o corpo e, consequentemente, para a alma. Como disse Joanna de Ângelis: “Todo corpo físico merece respeito e cuidados, carinho e zelo contínuos, por ser a sede do Espírito, o santuário da vida em desenvolvimento." O corpo físico é um empréstimo de Deus para que usemos para evoluir e, diminuir o tempo de vida física, é suicídio. Reencarnaremos com doenças, deficiências nos órgãos que foram afetados pelo álcool. Pois, o espírita sabe que por muito saber, mais será cobrado pela lei divina. 
Cada garrafa de bebida que adquirimos ajuda a sustentar a indústria que mata mais gente e destrói mais lares do que uma guerra. Um seareiro de Jesus não deveria compactuar com isso. Não devemos esquecer que "somos espíritos", e como espíritos não sabemos nossa idade espiritual, que vícios tivemos, que erros cometemos em encarnações passadas. Muitas vezes, um gole de bebida alcoólica desperta lembranças do passado que poderá nos induzir a errar novamente no mesmo ponto do erro do passado. Lembremos que "a carne não é fraca, fraco é o espírito." Sem contar que, somos exemplo para outros espíritos que convivem conosco neste planeta. Se uma pessoa consegue ficar num golinho o outro talvez não fique. Portanto, seremos responsabilizados pelo mau exemplo, o incentivo, o despertamento dos vícios naqueles que convivem conosco.
Tem o agravante da obsessão. Os irmãos desencarnados apegados a sensação alcoólica por não dispor mais de corpo físico para satisfaze-la, se aproximam de quem bebe e estimulam ao vício para poder usufruí-la.
Então, o certo é que o espírita deveria viver o que prega e nunca esquecer o alerta de André Luiz: “Somos livres para decidir sobre os nossos atos, muito embora nos tornemos escravos de suas consequências.”


Texto de Rudymara