terça-feira, 30 de março de 2010

31 DE MARÇO DE 1869 - DESENCARNAVA ALLAN KARDEC


Há 141 anos desencarnava Allan Kardec. Por isso, colocamos aqui este texto em sua homenagem, escrito pelo espírito Hilário Silva; que está no livro: O Espírito da Verdade; psicografias de: Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira


Allan Kardec, o Codificador da Doutrina Espírita, naquela triste manhã de abril de 1860, estava exausto, acabrunhado.
Fazia frio.
Muito embora a consolidação da Sociedade Espírita de Paris e a promissora venda de livros, escasseava o dinheiro para a obra gigantesca que os Espíritos Superiores lhe haviam colocado nas mãos.
A pressão aumentava . . .
Missivas (cartas) sarcásticas avolumavam-se à mesa. Quando mais desalentado se mostrava, chega a paciente esposa, Madame Rivail - a doce Gaby -, a entregar-lhe certa encomenda, cuidadosamente apresentada.O professor abriu o embrulho, encontrando uma carta singela. E leu:
"Sr. Allan Kardec;
Respeitoso abraço.
Com a minha gratidão remeto-lhe o livro anexo, bem como a sua história, rogando-lhe, antes de tudo, prosseguir em suas tarefas de esclarecimento da Humanidade, pois tenho fortes razões para isso. Sou encadernador desde a meninice, trabalhando em grande casa desta capital. Há cerca de dois anos casei-me com aquela que se revelou minha companheira ideal. Nossa vida corria normalmente e tudo era alegria e esperança, quando, no início deste ano, de modo inesperado, minha Antoinette partiu desta vida, levada por sorrateira moléstia. Meu desespero foi indescritível e julguei-me condenado ao desamparo extremo. Sem confiança em Deus, sentindo as necessidades do homem do mundo e vivendo com as dúvidas aflitivas de nosso século, resolvera seguir o caminho de tantos outros, ante a fatalidade . . . A prova da separação vencera-me, e eu não passava, agora, de trapo humano. Faltava ao trabalho e meu chefe, reto e ríspido, ameaçava-me com a dispensa.
Minhas forças fugiam. Namorara diversas vezes o rio Sena e acabei planejando o suicídio. "Seria fácil, não sei nadar" - pensava. Sucediam-se noites de insônia e dias de angústia. Em madrugada fria, quando as preocupações e o desânimo me dominaram mais fortemente, busquei a Ponte Marie.
Olhei em torno, contemplando a corrente . . . E, ao fixar a mão direita para atirar-me, toquei um objeto algo molhado que se deslocou da amurada, caindo-me aos pés. Surpreendido, distingui um livro que o orvalho umedecera. Tomei o volume nas mãos e, procurando a luz mortiça de poste vizinho, pude ler, logo no frontispício (fachada), entre irritado e curioso: "Esta obra salvou-me a vida. Leia-a com atenção e tenha bom proveito. - A.Laurent". Estupefato, li a obra - "O Livro dos Espíritos" - ao qual acrescentei breve mensagem, volume esse que passo às suas mãos abnegadas, autorizando o distinto amigo a fazer dele o que lhe aprouver."Ainda constavam da mensagem agradecimentos finais, a assinatura, a data e o endereço do remetente.
O Codificador desempacotou, então, um exemplar de "O Livro dos Espíritos" ricamente encadernado, em cuja capa viu as iniciais do seu pseudônimo e na página do frontispício, levemente manchada, leu com emoção não somente a observação a que o missivista se referira, mas também outra, em letra firme: "Salvou-me também. Deus abençoe as almas que cooperaram em sua publicação. - Joseph Perrier."
Após a leitura da carta providencial, o Professor Rivail experimentou nova luz a banhá-lo por dentro . . . Conchegando o livro ao peito, raciocinava, não mais em termos de desânimo ou sofrimento, mas sim na pauta de radiosa esperança. Era preciso continuar, desculpar as injúrias, abraçar o sacrifício e desconhecer as pedradas . . . Diante de seu espírito turbilhonava o mundo necessitado de renovação e consolo. Allan Kardec levantou-se da velha poltrona, abriu a janela à sua frente, contemplando a via pública, onde passavam operários e mulheres do povo, crianças e velhinhos . . . O notável obreiro da Grande Revelação respirou a longos haustos, e, antes de retomar a caneta para o serviço costumeiro, levou o lenço aos olhos e limpou uma lágrima . . .

Em 31 de março de 1869, desencarnava Hippolyte Léon Denizard Rivail, cujo pseudônimo era Allan Kardec. E a melhor homenagem para honrar-lhe a memória, é que, procuremos nos aperfeiçoar e servir, para que todos reconheçam no Espiritismo a doutrina capaz de modificar o homem para melhor e influir benéfica e poderosamente na sociedade.

Leia Kardec para entender os ensinamentos de Jesus.

segunda-feira, 29 de março de 2010

SOMOS CULPADOS OU INOCENTES?



Assistindo o caso Isabella e o julgamento de seu pai e madrasta, lembrei-me de duas observações feitas por Chico Xavier, que está no livro “O Evangelho de Chico Xavier.” Com isso, não quero justificar a atitude de quem tenha cometido o crime, não sou defensora do casal acusado, mas também não estou condenando. Deixo a justiça a quem compete fazê-la. Os mesmos que condenam, gritam, agridem o casal, o advogado e a família de ambos, se fossem pais, irmãos ou familiares do casal, também estariam em busca de um bom advogado para livrá-los da cadeia. Então, só quero repartir com quem ler este texto a reflexão que fiz e que tenho certeza que muitos também farão.
1ª OBSERVAÇÃO: "JÁ PRESENCIEI ALGUNS CASOS DE OBSESSÃO COM CRIANÇAS, MAS MUITO RARAMENTE ACONTECEM. NO PERÍODO DA INFÂNCIA, O ESPÍRITO CONTA COM A PROTEÇÃO NATURAL QUE O IMUNIZA CONTRA ATAQUES DE SEUS DESAFETOS DESENCARNADOS. MAS, QUANDO O ÓDIO É MUITO ENTRANHADO, QUANDO O COMPROMISSO É RECENTE, O ESPÍRITO OBSESSOR SE MOSTRA IMPLACÁVEL. ENQUANTO NÃO CONSEGUE OS SEUS OBJETIVOS DE VINGANÇA, ELE NÃO ABANDONA A VÍTIMA. POR ESTE MOTIVO, VEMOS CRIANÇAS MORREREM BARBARAMENTE OU, AINDA, SEREM ALVO DE SEQUESTROS, ESTUPROS, PANCADARIA POR PARTE DOS PAIS, COM SEQUELAS CEREBRAIS IRREVERSÍVEIS.”
Esta observação de Chico Xavier nos faz pensar que a criança, que julgamos inocente, nada mais é que um espírito encarnado que traz uma história de outra encarnação que pode ser de maldade, de abusos, de trapaças, vícios e outras mazelas. É apenas um espírito velho em um corpo novo. Aquele que foi lesado por este espírito poderá ter se tornado um obsessor que o acompanha buscando vingança. Quando não consegue atingi-lo diretamente, poderá influenciar os que convivem com ele para atingi-lo. Atenção, não estou afirmando que é o caso de Isabella.
2ª OBSERVAÇÃO: "OS ESPÍRITOS OBSESSORES, MUITOS DELES, SÃO ALTAMENTE TREINADOS NA TÉCNICA DE HIPNOTIZAR: QUASE SEMPRE ELES HIPNOTIZAM AS SUAS VÍTIMAS QUANDO ELAS SE RETIRAM DO CORPO NO MOMENTO DO SONO. POR ESTE MOTIVO, MUITA GENTE ACORDA MAL-HUMORADA E VIOLENTA. SE SOUBÉSSEMOS O QUE NOS ESPERA NO ALÉM, NÃO DORMIRÍAMOS SEM RECORRER AOS BENEFÍCIOS DA PRECE. OS ESPÍRITOS QUE SÃO NOSSOS DESAFETOS NOS ESPREITAM; SE NÃO TIVERMOS DEFESA, ELES FARÃO CONOSCO O QUE BEM ENTENDEREM. HÁ OBSESSÕES TERRÍVEIS QUE SÃO PROGRAMADOS DURANTE O SONO; TODA NOITE É UMA SESSÃO DE HIPNOSE. DE REPENTE, É UMA AGRESSÃO VIOLENTA DENTRO DE CASA, UM CRIME INEXPLICÁVEL.”
Esta outra observação de Chico Xavier nos mostra que, todos nós estamos sujeitos a este assédio. Não sabemos quem fomos ou quem foram nossos entes queridos. Não sabemos se fizemos um inimigo no passado que hoje nos assedia ou assediará. Sabemos apenas que todos temos débitos contraídos nesta ou em outra encarnação e que teremos que reparar, ou seja, não somos vítimas nem inocentes. O único espírito que encarnou neste planeta e não tinha débitos com a lei divina foi Jesus Cristo. Portanto, não julguemos as atitudes alheias. Desconhecemos o motivo que possa ter levado aquela pessoa a cometer uma violência. Não sabemos se nós ou um dos nossos cometeremos algo igual ou parecido. Aprendemos que os obsessores só conseguem nos influenciar através de nossas falhas morais e nossa invigilância. E, como ainda somos espíritos imperfeitos, falíveis e muitas vezes invigilantes, não atiremos pedra no telhado dos outros porque o nosso é de vidro. Como disse William Shakespeare: “Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia"

sexta-feira, 26 de março de 2010

"QUEM NUNCA ERROU?" - disse o pastor em defesa dos Nardoni



Adenildo chegou ao fórum por volta do meio-dia. Com um evangelho na mão, iniciou sua pregação. "Quem nunca errou? Apontem aqui quem nunca cometeu um erro na vida. Pode ter até algum ladrão aqui nessa multidão pedindo justiça."
No início, os manifestantes apenas observavam espantados a coragem do pastor de defender o casal, mas aos poucos passaram do espanto para hostilidade e agressões físicas.
Ster Silvano Filante, que trabalha como acompanhante de idosos, mas está na porta do fórum desde segunda-feira, grudou com as duas mãos na lapela do terno do pastor e passou a ameaçá-lo. O gesto dela desencadeou uma onda de agressões por parte de outros manifestantes. O carroceiro Evanderson dos Santos jogou um copo de água em Adenildo.
Uma turma de cerca de 20 pessoas começou a empurrá-lo e persegui-lo para longe do fórum. A polícia demorou agir e, quando chegou ao local, se limitou a tentar tirar Adenildo daquela situação. Em momento algum tomou qualquer atitude contra os agressores – a exemplo do que já tinha feito com advogado e o operador de telemarketing. As hostilidades só pararam quando o pastor foi levado para dentro do quartel da PM que fica atrás do fórum
"Eu não queria agredir. Só queria que ele me ouvisse, mas ele se recusava a me ouvir", justificou Ster. "Esse cara vem aqui dizer que Deus perdoa, ninguém aqui quer o perdão de Deus. A gente quer cadeia para os assassinos. Para mim, ele deve ter recebido alguma coisa dos Nardoni", acusou Evanderson.
Além de pedir a punição do casal Nardoni, os manifestantes aproveitam o julgamento para defender causas como redução da maioridade penal, adoção da prisão perpétua e a pena de morte.
PERGUNTEMOS: "SE ESTE FATO TIVESSE ACONTECIDO EM NOSSA FAMÍLIA, DE QUE LADO ESTARÍAMOS?" "ESTARÍAMOS NA PORTA DO TRIBUNAL AJUDANDO O POVO ENFURECIDO A GRITAR PARA CONDENAR NOSSO ENTE QUERIDO OU BUSCANDO O MELHOR ADVOGADO PARA LIVRÁ-LO?" ENTÃO, AQUELE PEDIDO DE JESUS AINDA ESTÁ ATUAL: "NÃO FAÇAMOS AOS OUTROS O QUE NÃO QUEREMOS QUE OS OUTROS NOS FAÇAM." NOS COLOQUEMOS NO LUGAR DA MÃE DE ISABELLA, MAS LEMBREMOS DAS MÃES DE ALEXANDRE NARDONE E ANA CAROLINA JATOBÁ. SEREMOS MAIS ÚTEIS SE ORARMOS POR TODOS ELES. É UMA ATITUDE MAIS CRISTÃ. DEIXEMOS O RESTANTE A QUEM COMPETE RESOLVER........

quinta-feira, 25 de março de 2010

"AS PORTAS DA IGREJA ESTÃO FECHADAS PARA CHICO XAVIER."



Os conflitos com a igreja que o médium Chico Xavier teve ao longo de sua trajetória não acabaram, a produção do filme "Chico Xavier" foi impedida de filmar dentro de um templo no interior de Minas Gerais, onde ele nasceu. “As portas da igreja estão fechadas para Chico Xavier”, teria dito um sacerdote à equipe, segundo lembrou o diretor. A solução foi construir o cenário em estúdio.




OBS.: Chico Xavier acolheu com todo amor mães, pais, filhos, irmãos com cartas consoladoras, alimentos, remédios, dinheiro sem perguntar que religião seguiam e sem impor que elas se tornassem espíritas. Pessoas como Chico Xavier são os legítimos "representantes de Deus na Terra". Apesar do comportamento pouco cristão desse sacerdote, lembramos aqui uma frase de Chico à Igreja Católica: "...À Igreja Católica dedico o meu respeito, sem compartilhar-lhe da militância, na atualidade."

domingo, 21 de março de 2010

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL COM SÊMEN DE UM DESENCARNADO


O folhetim “Escrito nas Estrelas”, da Rede Globo, promete render polêmicas. Escrita por Elizabeth Jhin, a novela aborda o espiritismo e a tentativa de inseminação artificial com sêmen de um falecido. A apresentação do elenco e do clipe da trama à imprensa aconteceu nesta sexta-feira (19), em um dos estúdios do Projac, no Rio de Janeiro.


Extremamente abalado com a perda do filho Daniel (Jayme Matarazzo), Ricardo (Humberto Martins) descobre que ele havia congelado o próprio sêmen antes de morrer para um estudo e decide gerar um neto, na esperança de ter de volta um sorriso ou um olhar como o de Daniel. Começa, então, uma busca incansável do especialista pela “mulher ideal”, digna de ser inseminada para tornar-se mãe de seu neto.

OBS.: A CIÊNCIA MOSTRA A POSSIBILIDADE DE FAZER A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL COM O SÊMEN DE UM "MORTO". MAS, SEGUNDO O ESPIRITISMO, O BEBÊ PODERÁ NASCER (OU NÃO) COM CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO "MORTO", MAS O ESPÍRITO QUE IRÁ SE VINCULAR AO CORPO FÍSICO DAQUELE BEBÊ, NEM SEMPRE SERÁ A VOLTA, O RETORNO, A REENCARNAÇÃO DO DONO DO SÊMEN.






sábado, 20 de março de 2010

ESPIRITISMO NÃO FAZ USO DO CHÁ DO SANTO DAIME


Diz o professor de antropologia da Universidade Federal da Bahia Edward MacRae, autor de “Guiado pela Lua - Xamanismo e Uso Ritual da Ayahuasca no Culto do Santo Daime” (ed. Brasiliense):

"(...) Foi mestre Irineu que adaptou o uso da bebida (chá ayahuasca), antes utilizada de forma terapêutica pelos xamãs indígenas, aos cultos, que incorporam elementos do xamanismo caboclo, do catolicismo, do esoterismo e do espiritismo.

‘Umbandaime’

Nas grandes cidades, o chá do Santo Daime passou ainda por um terceiro ciclo de expansão, chegando a comunidades de espiritismo, umbanda e religiões orientais (...)"

Nossa conclusão: "Com todo respeito ao prof. Edward MacRae, mas ele precisa se informar mais sobre o que a Doutrina dos Espíritos prega. Se algum Centro Espírita faz uso desse chá é porque está faltando estudo das obras básicas. Embora muitos aleguem ser natural, por ser chá, lembremos que cicuta tb é da natureza e não deixa de ser veneno. Entendam, não somos contra quem use este chá, somos a favor do livre arbítrio, mas não gostaríamos que dessem informação contrária da que pregamos. Como este blog é espírita, temos obrigação de orientar sobre o assunto segundo a visão espírita. Queremos lembrar que os médiuns espíritas não precisam fazer uso de chás ou outro alucinógino para ter contato com o além.
Perante o corpo : precaver-se contra tóxicos, narcóticos, alcoólicos, e contra o uso demasiado de drogas que viciem a composição fisiológica natural do organismo.
Existem venenos que agem gota a gota. (André Luiz – Conduta Espírita)

UMA PEQUENA OBSERVAÇÃO: O Espiritismo é uma doutrina sem sacerdotes, sem dogmas, sem rituais, não adota em suas reuniões e em suas práticas qualquer tipo de paramentos ou vestes especiais (as vestes brancas devem ser as que nos cobrem o espírito e o nosso perispírito); não utilizamos sal grosso, plantas, amuletos, etc. (porque o nosso coração é nosso escudo, quando nele mora o amor); não adotamos cálice com vinho, bebidas alcoólicas ou alucinógenas (os espíritas não devem alimentar o vício do álcool nem do fumo, porque precisamos estar lúcidos para apreciar a beleza da vida); não utilizamos incenso, mirra, velas (porque são coisas materiais e nós usamos a prece para nos sustentar o espírito); não temos altares, imagens, andores, procissões, pagamento pelos trabalhos espirituais, talismãs, sacrifício animal, santinhos, administração de indulgências, confecção de horóscopos, exercício da cartomancia, quiromancia, astrologia, numerologia, cromoterapia, pagamento de promessas, despachos, riscos de cruzes e pontos, não temos curas espirituais com cortes, orações milagrosas para resolver problemas sentimentais, financeiros, etc.





quinta-feira, 18 de março de 2010

EX PADRE SE DIZ ESPÍRITA E INDIGNA CATÓLICOS EM TERESINA

Padre Tony Batista e Miguel Fernandes


O ex-padre Miguel Fernandes Martins causou indignação ao padre Tony Batista, da Paróquia de Fátima, em Teresina.
Procedente de Brasília, Martins vem a Teresina com frequência, segundo ele, para fazer atendimentos espirituais.
O ex-padre é recebido por membros da Fundação Espírita Bezerra de Menezes.
Ele foi colocado para fora da Igreja Católica sob acusação de praticar mistificação com os fieis ao supostamente simular incorporação de espíritos para fazer curas milagrosas.
Miguel Fernandes Martins diz receber o espírito do frei Fabiano de Cristo.
O ex-padre é crítico da Igreja Católica, que chama de arcaica. Ele acusa padres e bispos
de revelarem segredos obtidos em confissões. Afirma também que a Igreja cobra R$ 40 mil para fazer anulação de casamentos. Ele apareceu em emissoras de tevê da capital fazendo premonições e dando conselhos aos telespectadores. Ele cobra R$ 7 por consulta.
Padre Tony Batista discorda. Entende que ele não tem a capacidade anunciada. Afirma também que ele, se fosse padre mesmo, deveria se apresentar ao pároco local. “A doutrina cristã não tem nenhuma compatibilidade com o espiritismo. Nós convivemos e nos amamos, mas a doutrina é incompatível.”
O pároco de Fátima contesta afirmações de que segredos de confissões estariam sendo revelados. “Isso é algo sagrado para nós, sacerdotes.” Tony Batista não acredita no espiritismo. Ele também não acredita que Miguel Fernandes seja capaz de fazer milagres.

OBS.: A afirmação do padre Tony Batista foi bastante infeliz e demonstra total ignorância no que diz respeito ao Espiritismo. Porque o Espiritismo é sim uma doutrina cristã, já que nossa conduta tem como base o Evangelho do Cristo. E o amor independe de rótulo religioso. Nem todo católico tem conduta cristã, assim como nem todo espírita. Estamos todos buscando seguir o Cristo, mas nem todos conseguem. Por isso, "não julgueis para não serdes julgados."

Assista estes videos e veja que a igreja católica admite a comunicação com os "mortos".

http://www.youtube.com/watch?v=eLoKKx71BtQ

http://www.youtube.com/watch?v=_QqQjM0725U





quarta-feira, 17 de março de 2010

CONFUSÃO ENTRE ESPIRITISMO E OUTROS CULTOS - J. Raul Teixeira


CENTRO DE UMBANDA


CENTRO ESPÍRITA

















Por que no Brasil se confunde Espiritismo com cultos africanistas, com terreiros e coisas assim?

Raul Teixeira responde: Isso se deve ao fato de termos um grande contingente de pessoas que desconhecem o que seja o Espiritismo e que não se interessam, nem desejam saber o que realmente ele é. Muitos espalham informações sobre o Espiritismo de acordo com o que supõem que seja, demonstrando grande dose de leviandade ou de má intenção. Ainda que o Espiritismo e, por sua vez, os espíritas, não tenham nada contra as práticas e crenças africanistas, é importante que cada coisa esteja no seu lugar, facilitando até a busca e o enquadramento das criaturas que estão procurando novas propostas de vida. Somente por meio das leituras sérias e dos estudos metódicos se conseguirá desfazer a confusão que gera tantos mal entendidos entre os espiritualistas.

  
(Do livro: Ante o vigor do Espiritismo)


OBSERVAÇÃO: O Espiritismo é uma doutrina sem sacerdotes, sem dogmas, sem rituais, não adota em suas reuniões e em suas práticas qualquer tipo de paramentos ou vestes especiais (as vestes brancas devem ser as que nos cobrem o espírito e o nosso perispírito); não utilizamos sal grosso, plantas, amuletos, etc. (porque o nosso coração é nosso escudo, quando nele mora o amor); não adotamos cálice com vinho ou bebidas alcoólica (os espíritas não devem alimentar o vício do álcool nem do fumo, porque precisamos estar lúcidos para apreciar a beleza da vida); não utilizamos incenso, mirra, velas (porque são coisas materiais e nós usamos a prece para nos sustentar o espírito); não temos altares, imagens, andores, procissões, pagamento pelos trabalhos espirituais, talismãs, sacrifício animal, santinhos, administração de indulgências, confecção de horóscopos, exercício da cartomancia, quiromancia, astrologia, numerologia, cromoterapia, pagamento de promessas, despachos, riscos de cruzes e pontos, não temos curas espirituais com cortes, orações milagrosas para resolver problemas sentimentais, financeiros, etc.





domingo, 14 de março de 2010

RESUMO DO LIVRO "MEMÓRIAS DE UM SUICIDA"


A história do livro (Memórias de um Suicida) começa no século XVII, quando nasce um jovem em terras portuguesas numa família pobre, mas que sonhava ser rico, culto e poderoso.
Este jovem procurou um pároco e contou seu sonho. O pároco então, passou a ensinar-lhe quanto sabia.
Diante das suas ambições, o jovem despertou a vontade de ser um sacerdote. Mas o pároco, disse que o rapaz não tinha vocação para o sacerdócio, e aconselhou-lhe que exercesse o sublime sacerdócio construindo um lar, com respeito, justiça e amando sempre o próximo.
O conselho do pároco calou fundo, e os planos foram adiados.
O jovem então, apaixonou-se por Maria Magda com fervor. Ambos faziam planos matrimoniais, quando Magda conhece um outro rapaz, Jacinto de Ornelas y Ruiz, apaixona-se, casa-se e muda-se para Madrid.
O jovem sentiu-se humilhado, cheio de ódio, rancor, despeitado e jurou vingança. Diante do desgosto, ele reativou a idéia de ser sacerdote e a realizou.
Serviu às leis de Inquisição. Perseguia, denunciava, caluniava, fazia intriga, mentia, condenava, torturava e matava.
Quinze anos depois do casamento de sua amada Maria Magda, o sacerdote vai para Madrid a mando da Igreja. O acaso então, os colocou novamente frente a frente, trazendo muito ódio à lembrança, mas sentindo que ainda a amava.
Tentou cativa-la, mas não conseguiu. Ela resistiu com dignidade. Jacinto, percebeu o assédio do sacerdote à sua esposa. Preparou-se para deixar Madrid, buscando refúgio no estrangeiro para si próprio como para a família. Pois, o medo do oficial do Santo-Ofício era grande.
Mas, o sacerdote descobriu, denunciou Jacinto de Ornelas ao tribunal, com muitas acusações.
Jacinto foi preso, processado e entregue ao sacerdote, por ordem dos seus superiores.
Jacinto foi levado à masmorra infecta, onde passou martirizantes privações e torturas: arrancaram-lhe as unhas e os dentes, fraturaram os dedos, deslocaram os pulsos, queimaram a sola dos pés.
Maria Magda, sofria pensando o que poderia estar acontecendo ao marido. Por isso, procurou o sacerdote entre lágrimas, suplicou trégua e compaixão.
Ele então, prometeu o marido de volta com uma condição, de que ela se entregasse à ele.
Ela relutou, mas acabou aceitando. Pois sabia que se não fizesse o acordo, seu marido seria morto.
Dias depois do pacto, Magda vai à sala de torturas, contempla o marido, desespera-se, e não consegue ocultar o ódio pelo sacerdote.
Ele notou o desprezo, sentiu-se cansado em lutar por um bem inatingível, pois não conseguia entender aquele sublime amor que cobria as mãos de Jacinto com beijos e lágrimas.
E por não conseguir o amor de Magda, a inveja, o despeito, o ciúme, tomou-lhe o coração. As tendências maléficas do passado, vieram-lhe na lembrança, quando no ano 33 gritou junto ao povo para condenar Jesus de Nazaré em favor da liberdade do bandoleiro Barrabás. Ele então, vazou os olhos de Jacinto perfurando-os com pontas de ferro incandescido.
Jacinto inconformado com a situação, não querendo tornar-se estorvo à querida companheira, suicidou-se dois meses depois de obter a liberdade.
Magda voltou para a terra natal com os filhos, desolada e infeliz. Nunca mais viu o sacerdote ou obteve notícias.
O arrependimento não tardou iniciar ao mesquinho ser do sacerdote. Não dormia com tranqüilidade, vivia nervoso e a imagem de Jacinto o atordoava. Ele passou a evitar cumprir as tenebrosas ordens de seus superiores, até que mais tarde foi levado ao cárcere perpétuo.
Da Segunda metade do século XVII até o século XIX, ele começou a expiar, na Terra como homem e na erraticidade como Espírito, os crimes e perversidades cometidos sob a tutela do Santo-Ofício.
Na Segunda metade do século XIX, reencarnou em Portugal, como escritor famoso, Camilo Castelo Branco, para a última fase das expiações inalienáveis: a cegueira.
O mesmo horror que Jacinto de Ornelas sentiu pela cegueira, ele também sentiu. Diante da inconformidade, imitou a gesto, deu um tiro no ouvido, tornando-se em 1890, suicida como Jacinto o fora em meado do século XVII.
A cegueira era uma expiação, mas o suicídio não.
O suicídio foi uma escolha dele, que perdeu a oportunidade que Deus estava dando para que ele reparasse sua falta do passado. Ele fez mal uso do livre arbítrio.
Camilo Castelo Branco lança neste livro, através da médium Yvonne A . Pereira (que também foi uma suicida na sua encarnação passada) um alerta para aqueles que pensam que a vida termina no túmulo.
Camilo conta a experiência dele e de outros suicidas como:
Jerônimo que deu um tiro no ouvido porque era rico e não suportou a ruína dos negócios comerciais;
Mario Sobral perdeu-se nos instintos inferiores, influenciado pela beleza física, a vaidade, a sedução, que pediam cada vez mais prazeres. Quando percebeu que estava perdendo sua esposa para outro, tentou encontrar-se e reconduzir sua vida, mas não conseguiu. Sua esposa não o aceitou. Ele então, à matou estrangulada e logo após enforcou-se;
Belarmino era um professor conceituado, diante de uma tuberculose, resolveu acabar com o sofrimento, cortando os pulsos;
João era viciado em jogo, perdeu tudo, inclusive a honra e a própria vida, envenenou-se.


Uma observação importante: O resgate não é igual para todos. Por exemplo: Jerônimo, o amigo de Camilo, que se matou com um tiro no ouvido porque sua empresa faliu, deixando esposa e filhos em situação difícil, reencarnou em família rica, com o propósito de não formar família, montar uma instituição para crianças órfãs, e ir à ruína financeira novamente, para ter que lutar com coragem; Camilo tornou-se grande trabalhador no Vale dos Suicidas, e após 50 anos reencarnou para cegar aos 40 anos e desencarnar aos 60 anos. Como vemos, ambos deram um tiro no ouvido, mas o resgate foi diferente.

(Resumo feito por Rudymara de Paula) - O livro “Memórias de um Suicida”, buscou ajudar aqueles que, em desespero, tentaram ou pensam tentar contra a própria vida, comprometendo severamente a evolução espiritual que todos buscamos. Este livro foi escrito pela psicografia da médium Yvonne Pereira - ditado pelo espírito Camilo Castelo Branco, extraordinário romancista e poeta português, que contou sua lamentável atitude (em vidas passadas), disparando um tiro de revólver na cabeça e consequências. Peço que todos aqueles que lerem este resumo leiam também o texto "PARA ONDE VAI O SUICIDA" que se encontra neste blog. Ele complementa o assunto: SUICÍDIO. http://grupoallankardec.blogspot.com/2010/01/para-onde-vai-o-suicida.html







sábado, 13 de março de 2010

ZOANTROPIA E LICANTROPIA


Os casos de zoantropia entre os encarnados são raros, mas no mundo espiritual são muito comuns. Os espíritos, tomado por remorso profundo, assume a forma de um animal, cujas características, lembram os crimes que cometeu. Exemplo: os traidores; sentem-se como serpentes, etc.
Quando a aparência é de lobo chama-se licantropia.

Observação: lembremos das histórias populares que narram a visão, geralmente à noite, de homens-lobo ou lobisomens (licantropia), hoje, muito bem explicado por extensas obras espíritas e espiritualistas.



VÍCIOS E PAIXÕES


Vício é todo ato prejudicial que nos desvia de nossas corretas funções, seja em que setor de atividade for, causando desgaste de energia e perda de tempo, sem produzir o bem e o progresso.
Paixão é o excesso ou descontrole nos sentimentos e nas emoções.
Devemos comandar nossas necessidades e sentimentos. A partir do momento em que eles é que passem a nos dirigir, estaremos escravizados pelo vício ou pela paixão.
Excessos na vida corpórea causam efeitos prejudiciais no campo fluídico, André Luiz examinou alguns casos assim:

a) Sexo: Desregramentos sexuais produziram bacilos psíquicos que influíam sobre as células geradoras, chegando a aniquilá-las.
b) Álcool, fumo e tóxicos: Seu uso produziu fluidos venenosos que abalaram o sistema nervoso e lesaram funções orgânicas. Quando abusivo, esse uso estabelece dependência e acarreta conseqüências muito danosas.
c) Alimentação: Excessos alimentares criam parasitos fluídicos, além das alterações sofridas pelo que fora ingerido, prejudicando todo o aparelho digestivo, ficando evidente que se deve evitar a gula.

Observação: Em dia de estudos e práticas espirituais, para se estar bem disposto fisicamente, não desgastado nas energias, e poder estar bem assistido espiritualmente, deve-se evitar quaisquer vícios ou excessos. A refeição que preceder a reunião espiritual deve ser leve.






quarta-feira, 10 de março de 2010

IRMÃS FOX - TV Mundo Maior

segunda-feira, 8 de março de 2010

HOMEM E MULHER SÃO IGUAIS PERANTE DEUS?


Na questão 817 do O Livro dos Espíritos, Allan Kardec perguntou aos espíritos: “São iguais perante Deus o homem e a mulher e tem os mesmos direitos?” E os espíritos responderam com outra pergunta: “Não outorgou Deus a ambos a inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir?”


Deus criou ESPÍRITOS e, partindo do princípio doutrinário, este não tem sexo. Tanto podemos encarnar em corpo masculino como feminino. Somos iguais quanto à origem e destinação, inteligência e perfectíveis. Por isso, homem e mulher devem exercitar direitos idênticos. Graças a Deus, estão distantes os tempos em que, filósofos discutiam se a mulher tinha alma; tempos onde ela tinha dono (o primeiro era o pai e o segundo o marido). Somente em sociedades primitivas pode persistir a concepção de que ela é inferior ao homem. No século 20 iniciou-se os movimentos feministas que garantiram à mulher o direito de votar, de exercer profissão liberal, de gerir seus próprios negócios, de exercitar o livre-arbítrio. O que contribuiu para essa desejada igualdade foi quando a mulher começou a exercer uma atividade profissional, não simplesmente por uma necessidade de auto-afirmação, mas, sobretudo, em decorrência de um problema econômico, a fim de auxiliar na formação de renda que atenda às necessidades se subsistência da família. São raros os lares que podem dispensar tal iniciativa. Mas somos obrigados a reconhecer que o processo de libertação da mulher não se faria de forma pacífica, que geraria dificuldades no relacionamento familiar e inspiraria perturbadoras iniciativas na alma feminina. Muitos lares estão em crise porque a mulher não admite ser contestada em sua disposição de fazer o que julga conveniente. Ela ajuda nas despesas da casa, mas quer que o marido retribua a gentileza ajudando nos afazeres domésticos. As mulheres que chamamos de “do lar”, trabalham a semana todo com os afazeres do lar para que o marido saia tranqüilo para o trabalho. Mas nos finais de semana e feriados, ela não acha justo que só o marido usufrua desta regalia. Nestas datas ela quer que eles a ajudem. E o homem, com caráter machista, acha-se ofendido. Mas este abalo ou atrito é necessário para que haja modificações profundas, e com o tempo serão superados na medida em que a humanidade assimilar plenamente um princípio fundamental: a igualdade de direitos entre o homem e a mulher.


Por isso, Allan Kardec perguntou na questão 822-a: “Assim sendo, uma legislação, para ser perfeitamente justa, deve consagrar a igualdade dos direitos do homem e da mulher?” E os mentores responderam: “Dos direitos sim; das funções, não. Preciso é que cada um esteja no lugar que lhe compete . . .”


Pretender absoluta igualdade envolvendo as funções é contrariar a própria biologia. O homem foi estruturado para o trabalho mais pesado; a mulher é convocada às responsabilidades do lar, particularmente no cuidado dos filhos. Não pretendemos reinstituir as Amélias, o retorno da mulher à condição de escrava do lar. Ela tem o direito e, mais que isso, a necessidade de desenvolver atividades na comunidade. Mas é preciso reconhecer que acima dos sucessos no campo social e profissional, está a suprema realização feminina como esposa e mãe, sustentando o lar, que é reconhecidamente a célula básica da civilização. A família pode transformar a casa de tijolos em lar, quando os membros desenvolvem os valores éticos, as responsabilidades morais. É dentro dos lares que saem as pessoas que irão compor a sociedade. Os futuros médicos, professores, engenheiros, políticos, pais, mães, funcionários públicos, profissionais em geral. Portanto, lares equilibrados, sociedade equilibrada; lares desequilibrados, sociedade desequilibrada. A sociedade é o reflexo de nossos lares.
A renovação das criaturas se fará através da “educação”. Não da educação instrução, que recebemos nos bancos escolares, mas da educação moral, que recebemos dentro do lar. Através, principalmente, do exemplo. Mas, como espíritos imperfeitos podem ser bons educadores? Reconhecemos as verdadeiras educadoras não pela santidade, mas pelo “esforço” e pela “disciplina” que trouxerem como bagagem, os quais serão os alicerces firmes e sólidos da “educação”. São valores reconhecidos pelos que buscam acertar na tarefa. Então, devemos ter sempre conosco a legenda “educar-se para educar”, a fim de não esquecermos nossa necessidade de progresso. E, a cada avanço na jornada evolutiva, melhoramos nossa condição de educadores. O espírito eminentemente feminino, na sua maioria, já adquiriu na esteira das encarnações sucessivas enormes cabedais de afetividade e sensibilidade, amor e ternura, carinho e delicadeza, devido muito especialmente à doação incessante à maternidade e aos membros da família.

O aperfeiçoamento moral de todo espírito reencarnado passa inevitavelmente pelo trabalho amoroso e educativo de toda mãe terrestre, como afirma e espírito Agostinho no O Evangelho Segundo o Espiritismo cap. XIV, item 9: “Merecei as divinas alegrias que Deus concede à maternidade, ensinando a essa criança que ela está na Terra para se aperfeiçoar, amar e abençoar.”

(RICHARD SIMONETTI)


sexta-feira, 5 de março de 2010

quarta-feira, 3 de março de 2010

BELEZA E PAIXÃO













BELEZA E PAIXÃO

Muitos são os que acreditam amar perdidamente, porque apenas julgam pelas aparências, e que, obrigados a viver em comum, não tardam a reconhecer que só experimentaram um encantamento material! Não basta uma pessoa estar enamorada de outra que lhe agrada e em quem supõe belas qualidades. Vivendo realmente com ela é que poderá apreciá-la. Cumpre não se esqueça de que é o espírito quem ama e não o corpo, de sorte que, dissipada a ilusão material, o espírito vê a qualidade.

(Questão 939 do O Livro dos Espíritos)