terça-feira, 14 de novembro de 2017

GRUPO DE ESTUDO ALLAN KARDEC


PADARIA DÁ EXEMPLO DE CARIDADE




A República dos Pães deixa diariamente, ao longo de todo o dia, em sua calçada, uma cesta sempre cheia de pães quentinhos, à disposição de quem mais precisa. No local, há apenas um cartaz com o recado: “PODE PEGAR. MAS PEGUE APENAS O NECESSÁRIO PARA VOCÊ, POIS HÁ MAIS PESSOAS COM FOME." É preciso aplaudir empresas que não se preocupam somente com o lucro, mas em realizar atos de caridade. A República dos Pães é um exemplo disso. A padaria fica em Guarapari, no Espírito Santo.
OBSERVAÇÃO DA RUDYMARA: como nos ensina a doutrina, o dinheiro não é nosso, é um empréstimo de Deus, nós apenas o administramos aqui na Terra. Um dia teremos que prestar contas do que fizemos com ele. A lei divina irá querer saber se fizemos uso dele de maneira egoísta, ou seja, apenas em benefício próprio ou ajudando o próximo.Como comenta Kardec na questão 816 do O Livro dos Espíritos: "A posição elevada no mundo e a autoridade sobre os semelhantes são provas tão grandes e arriscadas quanto a miséria; porque, quanto mais o homem for rico e poderoso, mais obrigações tem a cumprir, maiores são os meios de que dispõe para fazer o bem e o mal. Deus experimenta o pobre pela resignação e o rico pelo uso que faz de seus bens e do seu poder. A riqueza e o poder despertam todas as paixões que nos prendem à matéria e nos distanciam da perfeição espiritual (...)" 
Como disse Irmã Dulce: "Não se vai acabar com a pobreza. Deus constitui ricos e pobres. Porém, a gente deve emprestar todos os esforços possíveis para melhorar a situação." E como disse Chico Xavier: ''Se todos trabalhassem pelo pão de cada dia, dividindo com os outros as migalhas que lhes sobrassem do pão cotidiano, a paz seria uma realidade e a justiça social se faria sem tantas lutas''. Então, não aguardemos apenas atitudes do Governo ou que ele implante o socialismo, façamos essa divisão sem que nos imponham. Utilizemos o dinheiro da Terra para buscarmos tesouros no Céu. "Tesouro que a traça e a ferrugem não corroem e que os ladrões não roubam", como ensinou Jesus. Pensemos nisso!



AS ENCARNAÇÕES PASSADAS E A REENCARNAÇÃO FUTURA DE JOANNA DE ÂNGELIS


Joanna de Ângelis é a mentora espiritual de Divaldo Franco, e já teve várias reencarnções entre elas:
Joanna de Cusa que conheceu Jesus e morreu na fogueira com seu filho e não negou ao seu Mestre. Conforme as informações espirituais, Nilson (fundou, juntamente com o médium Divaldo Pereira Franco, no dia 7 de setembro de 1947, o “Centro Espírita Caminho da Redenção”, e, em 15 de agosto de 1952, o braço social da instituição, a “Mansão do Caminho”) teria sido queimado vivo com sua mãe, Joana de Cusa, que mais tarde se identificaria como Joanna de Ângelis. Ainda, segundo as mesmas fontes, teríamos ambos retornado ao conhecimento e convivência da doutrina cristã ao tempo de Francisco de Assis, na Úmbria e, posteriormente, na Escócia…
Viveu no século XIII como Clara de Assis e conviveu com Francisco de Assis. 
Joanna Inês de La Cruz, morreu no México em 1651 e escrevia poemas e canções, cuidava de enfermos e morreu contagiada pela doença e reencarnou em Salvador - Bahia em 1761, no convento da Lapa, como Joana Angélica de Jesus e morreu defendendo as freiras do convento de serem violentadas na revolução.
JOANNA DE ÂNGELIS VAI REENCARNAR?
Divaldo Franco: – Normalmente, quando um Espírito desse quilate acompanha um médium durante uma longa tragetória, inverte-se os papéis. Ele volta a Terra e o médium passa agora a ser um dos seus colaboradores. Como aconteceu com Chico Xavier. Emmanuel reencarnou-se no ano 2000, e posteriormente Chico veio a desencarnar em 2002, o que naturalmente vai agora se inverter os papéis.
ENTÃO VAI ACONTECER O MESMO COM O SENHOR E ELA? 
Divaldo Franco: - Vai acontecer o mesmo.
E O SENHOR TEM UMA PREVISÃO DE DATA? 
Divaldo Franco: - Não. Eu penso que por volta de 2015 ela estará reencarnando. Neste meio tempo eu espero estar encarnado. (risos)
ENTÃO O SENHOR VAI DESENCARNAR NESTE PERÍODO? 
Divaldo Franco: - Não necessariamente. Pode o médium ficar encaminhado por um grupo de espíritos amigos e chegando o momento da maturidade mediúnica, é que aqueles papéis se invertem.
ESTE MOMENTO É TRANQUILO PARA O SENHOR? 
Divaldo Franco: - Muito. A convicção da imortalidade é tão grande que é como pegar um avião e transferir-se para outro país.
EMMANUEL JÁ ESTÁ ENCARNADO E JOANNA REENCARNARÁ. ELES TERIAM UMA MISSÃO JUNTOS? 
Divaldo Franco: - Não. Emmanuel tem a missão da Evangelização cristã do Brasil e Joanna tem a missão da evangelização psicológica.


Rudymara copiou esta entrevista feita por Andréia de Vargas Souza para o Programa "Autografando" que está no vídeo no You Tube




sábado, 4 de novembro de 2017

IDEOLOGIA DE GÊNERO NA VISÃO ESPÍRITA




A chamada "ideologia de gênero" consiste na ideia de que os seres humanos nascem "iguais", sendo a definição do "masculino" e do "feminino" um produto histórico-cultural desenvolvido tacitamente pela sociedade. Para os defensores desta "ideologia", não existe apenas o gênero "masculino" e "feminino", mas um espectro que pode ser livremente escolhido pelo indivíduo.
Para a doutrina espírita a visão é diferente. Nós somos “ESPÍRITOS” e espírito não tem sexo e nem forma definida ”enquanto está desencarnado”. Como está escrito no O Livro dos Espíritos, questão 88, a aparência do Espírito é de uma chama, um clarão ou uma centelha etérea. Mas, quando o espírito está se preparando para encarnar, o sexo é planejado no plano espiritual, antes da concepção, segundo a necessidade reencarnatória do espírito reencarnante. Podemos encarnar várias vezes num corpo masculino, por exemplo, mas não será sempre. Chegará a hora que teremos que encarnar num corpo feminino e vice versa. Faz parte do aprendizado e, consequentemente, do crescimento do espírito. Como explica Joanna de Angelis no livro "Dias Gloriosos": “A constituição do ser orgânico é decorrência das suas necessidades evolutivas, que são trabalhadas pelo perispírito na condição de modelo organizador biológico. Trazendo impressos os mecanismos da evolução nos tecidos sutis da sua estrutura íntima, plasma, a partir do momento da concepção, o corpo, no qual o Espírito se movimentará durante a vilegiatura humana, a fim de aprimorar o caráter e resgatar os compromissos negativos que ficaram na retaguarda... No momento da concepção o perispírito é atraído por uma força incomparável, às células que se vão formando, nelas imprimindo automaticamente, por força da Lei de causa e efeito, o que é necessário à sua evolução, incluindo, sem dúvida, o sexo e suas funções relevantes.”
Assim, os pais devem orientar seus filhos, sem violência, no período da infância, que esses são meninos ou meninas e tratá-los como tal. Mais tarde, na idade madura, caso queiram seguir as lembranças sutis que trazem de outra encarnação, fica por conta do livre arbítrio deles. Por encarnar várias vezes num corpo masculino, por exemplo, o espírito estranha quando encarna num corpo feminino. Ele traz na lembrança reencarnatória as sensações, os desejos, os costumes do sexo masculino. Por isso vemos mulheres masculinizadas e homens afeminados. Mas, através das encarnações aprenderão a lidar com essa troca. 
Kardec comenta na questão 202: Os Espíritos encarnam-se homens ou mulheres, porque não têm sexo. Como devem progredir em tudo, cada sexo, como cada posição social, oferece-lhes provas e deveres especiais, e novas ocasiões de adquirir experiências. Aquele que fosse sempre homem, só saberia o que sabem os homens.
Então, o espírito que encarna no corpo feminino, ele guardará na lembrança espiritual a experiência que passou ao utilizar esse corpo, assim ocorre com o espírito que encarna num corpo masculino. Assim, quando ele encarnar num corpo feminino, por exemplo, respeitará o sexo oposto porque sua “sutil” lembrança reencarnatória sinalizará como ele deve se comportar com o sexo oposto, porque ele sabe o que sentiu quando esteve em outro corpo. Assim, o espírito vai aprendendo a amar, respeitar e, consequentemente, vai evoluindo. 
Segundo explica os Espíritos em O Livro dos Espíritos, o espírito passa pelo estado da infância porque é um período que ele assimila melhor a educação. Crianças são espíritos velhos em corpos novos. Se deixarmos esses espíritos livres, sem educação, sem orientação, estaremos liberando não só a escolha do sexo, mas se querem continuar cometendo os erros de outras encarnações. Se um espírito foi um assassino, por exemplo, devemos liberar sua tendência à criminalidade? Portanto, nossa visão é reencarnatória, por isso é diferente e pede cuidado. Deus conta com os pais ou responsáveis pela educação de Seus filhos para que saiam desse mundo melhores do que aqui chegaram e cumprindo o papel que Deus os confiou.


Texto da Rudymara






quinta-feira, 2 de novembro de 2017

POR QUE TANTA DESIGUALDADE NO MUNDO?



Porque agimos de forma desigual.
Cada um resgata apenas o que plantou. E o plantio pode ter ocorrido em outra encarnação ou nessa. 
Há muitos tipos de dores e aflições. Podemos sofrer porque;

- Abusamos da alimentação, da bebida alcoólica, do cigarro e outros tipos de drogas ilícitas. Daí aparecem doenças no órgão que lesamos, nessa e em outra encarnação. 
- Por sentimentos negativos que nos levam a desencadear doenças no corpo físico como, úlcera no estomago, problemas de pele, alteração arterial, etc.
- Por agirmos baseados nos sentimentos inferiores como, revidar uma agressão que nos leva a perder o emprego, amigo, afastam parentes e até pode levar a agressão física que acarretam prisões e colheita pela lei de causa e efeito. 
- Por abusarmos das leis humanas como: a lei de trânsito que causam tantos acidentes com lesões físicas irreversíveis e mortes; quando roubamos poderemos ir preso e reencarnar sem as mãos; etc.
- Por não acreditar que o fardo é proporcional as nossas forças, muitos querem fugir dos problemas pela falsa porta do suicídio. Pois, além de ter que dar continuação ao que interrompemos teremos que resgatar o suicídio. Se tomarmos veneno, poderemos, por exemplo, renascer com lábio leporino. Se dermos um tiro no ouvido, reencarnaremos com problema onde o projétil atingir como: surdez, anencefalia, etc. 
- Muitos de nós pedimos para passarmos por alguma privação para resgatarmos débitos. Como o espírito que matou um homem a facadas na região do estomago e, quando estava se preparando para reencarnar, pediu para desencadear um câncer no estomago e que nenhum médico curasse.
- Há espíritos missionários que não devem nada a lei divina, mas pedem doenças e privações para não se desviar do caminho que escolheu trilhar.
- Há espírito que não deve nada, mas encarna apenas para ajudar uma família, uma cidade, etc. Como o espírito Alcione do livro Renúncia, escrito pelo espírito Emmanuel.
- Há quem venha para despertar pessoas ao compromisso que planejaram no plano espiritual e que, ao chegar aqui, se esqueceram. Richard Simonetti conta a história de um casal que se comprometeram a vir e trabalhar com crianças no orfanato. Mas, chegaram aqui e se iludiram com a falsas alegrias do mundo. Daí, seu mentor veio como filho deles. Fez todos se apaixonarem por ele e desencarnou. Uma morte que chocou o casal, mas que os fez trabalhar num orfanato. A dor os colocou no rumo que haviam de desviado. 
- Quando uma criança nasce com problemas físicos, doenças de difícil tratamento e cura, etc., estas estão colhendo algo que fizeram no passado. Elas são espíritos velhos em corpos novos.
- Dinheiro, por exemplo, é prova de abnegação e caridade e pobreza é prova de paciência e resignação. De encarnação a encarnação podemos trocar de posição social, para aprendermos a lidar com cada uma delas.
- Os orgulhosos que acreditam que são superiores por ser da raça branca, por exemplo, poderá reencarnar na raça que ele discrimina, para sentir na pele como é triste ser discriminado.
- O homem, por exemplo, que acredita ser superior a mulher e a humilha, discrimina, é violento, poderá encarnar num corpo feminino para aprender a respeitar o sexo oposto.
Enfim, são muitos os motivos das nossas aflições, esses são apenas alguns, mas todas elas são justas, porque quem fez a lei de causa e efeito é perfeito e justo: DEUS. Quem não quer sofrer no futuro precisa observar melhor as leis humanas e as de Deus. Enquanto a transgredirmos, sofreremos as consequências. 

Rudymara






A MORTE NA VISÃO ESPÍRITA


Diz Emmanuel que "a morte é a própria vida, numa nova edição." Portanto, para nós espíritas, a morte não existe. Quem morre é o corpo físico, nós espíritos, continuamos a viver em outro lugar. Para entender melhor vamos imaginar a vida como um grande palco, onde nós somos os atores. Quando encarnamos é como se entrássemos neste palco para interpretar um papel. E quando desencarnamos é como se a cortina fechasse e a interpretação terminasse. Daí, retornamos ao plano espiritual de onde viemos, para nos preparar para um novo retorno e uma nova interpretação. E nesta nova interpretação poderemos trocar de raça, posição social, nacionalidade, sexo, família, etc., vai depender da necessidade de aprendizado de cada um. A única certeza que temos é que, chegando do lado de lá, CADA UM PRESTARÁ CONTAS DE SI PARA DEUS, como disse Jesus, na verdade não é para Deus, diretamente, a prestação de contas é com a Sua lei que se encontra escrita em nossa consciência. E ela (a lei) não irá querer saber dos tesouros que juntamos na Terra e que, a traça e a ferrugem podem destruir e que os ladrões roubam, mas sim dos tesouros do céu que levaremos na alma: AS VIRTUDES. Por isso, precisamos aprender a viver. Pois, não sabemos quando e como sairemos de cena. Se será hoje, amanhã ou daqui a alguns anos, Se será por vontade divina ou por nossa inconsequência. Seja como for, busquemos interpretar nossos papéis neste palco da vida, da melhor forma possível. Tentando ser melhor a cada dia. Preservando a vida cuidando do corpo físico. Respeitando tudo que Deus criou. Fazer o bem sempre. Usar as coisas materiais para viver sem a ânsia de viver somente para ter coisas. Porque o script da nova atuação dependerá da nossa última interpretação, como disse Jesus A CADA UM SERÁ DADO SEGUNDO SUAS OBRAS. Neste momento, muitos desencarnados estão na coxia desse teatro, avaliando sua atuação, aguardando sua nova entrada em cena e sendo amparado pelo Amoroso Diretor dessa peça, que é DEUS. Pensemos nisso!

Texto da Rudymara


segunda-feira, 30 de outubro de 2017

SER ESPÍRITA


Muitas pessoas acreditam que por sermos espíritas, postarmos mensagens edificantes, fazermos algumas poucas caridades, devemos ser infalíveis. Não é bem assim. Sentimos raiva, vontade de revidar uma agressão, de não olhar mais na cara, nos magoamos com a injustiça, com a ingratidão, com a traição, enfim, nossos sentimentos são iguais aos dos outros. Daí os ensinos espíritas falam mais alto e nos faz rever os sentimentos. Mas, as pessoas ficam de olho em tudo que falamos e fazemos e cobram qualquer deslize dizendo: "Você não é espírita? Então, por que fez isso ou falou aquilo?" Até o apóstolo Paulo sofria para domar suas más inclinações. Dizia ele: "...o querer o bem está em mim, mas o efetuá-lo não está. Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse pratico." Assim somos nós. Espírita não é uma pessoa perfeita, que não comete erros. Espírita é um ser em construção interior, por isso falamos tanto da reforma íntima. Adotamos Jesus como nosso guia e modelo a ser seguido, mas não nos tornaremos perfeitos tão rapidamente. Foram séculos de erros e serão, talvez, mais séculos de aprendizado e vivência cristã. Cada mensagem e texto escrito, postado e lido, são puxões de orelha em nós mesmos, antes de tudo. Cada tropeço é um momento de repensar e tentar fazer melhor da próxima vez. Enfim, ser espírita é esforço, é perseverança, é reconhecer o erro, é pedir perdão, é perdoar, é tentar ser hoje melhor do que fomos ontem e ser amanhã melhor do que estamos sendo hoje, para conosco e para com o próximo. Kardec disse: "Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más." Portanto, se o espírita é reconhecido pelo esforço que ele emprega para domar as más inclinações, é sinal que ele tem más inclinações, ou seja, ele não é perfeito, mas tem obrigação de se esforçar para se melhorar. Podemos dizer que muitos de nós ainda somos uma lagarta, que rasteja para se locomover, assusta, queima, come as plantas do jardim. Outros já estão no casulo, buscando melhorar-se para ser um dia uma linda borboleta, que embeleza o jardim, poliniza as flores, é útil na Natureza e é suave em seus movimentos de locomoção visando alçar voo aos céus. Pensemos nisso!

Texto de Rudymara


sexta-feira, 27 de outubro de 2017

CARIDADE MORAL


PACIÊNCIA É CARIDADE


A caridade mais fácil de praticar é a da "esmola". A caridade da "paciência" é a que menos praticamos. Ser cristão não é apenas carregar um rótulo, é nos esforçarmos para viver os ensinamentos do Cristo. Estamos devagar porque, muitos de nós ainda acreditamos que ser cristão é rezar e praticar ritos. Sublimar as atitudes, palavras e pensamentos fazem parte do crescimento. Mas um dia chegaremos lá.

Rudymara




segunda-feira, 23 de outubro de 2017

MACUMBA PEGA?




Antes de mais nada, macumba é um instrumento africano de percussão e macumbeiro é quem toca este instrumento. 
Mas, no sentido de trabalho espiritual, precisamos esclarecer que mediunidade não é propriedade dos espíritas. Há médiuns espíritas e médiuns que não são espíritas e, os médiuns espíritas não utilizam sua mediunidade para trabalhos que prejudiquem o próximo. Seria incoerente falar de Jesus que ensinou a perdoar, amar o próximo e o inimigo, etc. e prejudicar alguém. Espíritos desencarnados que pedem coisas como sacrifícios animais ou humanos, bebida alcoólica, charutos, comida, em troca de "favores", na visão espírita, precisam de esclarecimento cristão. Eles ainda estão apegados a coisas materiais e sentimentos inferiores. Os que buscam, os que intermediam e o espírito que aceita tal trabalho estão contrariando a Lei de Deus. Respeitamos o livre arbítrio de cada um, mas, devemos advertir que trabalhos que prejudicam o próximo não é uma prática espírita. Espiritismo deve ser entendido como a Doutrina surgida na França, cujo ensinamentos foram trazidos pelos Espíritos e organizados por Allan Kardec nos 5 livros: "O Livro dos Espíritos", "O Evangelho Segundo o Espiritismo", "O Livro dos Médiuns", "A Gêneses", "O Céu e o Inferno". Embora algumas casas espiritualistas adotem os livros da codificação, nem sempre elas são casas espíritas.
O Espiritismo não tem: dogmas, rituais, vestes especiais, cálice com vinho ou qualquer bebida alcoólica, incenso, mirra, fumo, altares com imagens, andores, velas, procissões, trabalhos espirituais, talismãs, amuletos, sacrifício animal, santinho, horóscopo, cartomancia, quiromancia, astrologia, numerologia, pagamento de promessas, despachos, riscos de cruzes e pontos, não tem curas espirituais milagrosas, fórmulas mágicas para resolver problemas sentimentais ou financeiros, etc.
O que o Espiritismo explica, em relação a este tipo de "trabalho" é que, os agentes das sombras (espíritos malfazejos), contratados para fazer o mal, não têm o poder de criar o mal. Apenas alimentam o mal que há na pessoa.
Ninguém faz mal para ninguém, porque o mal só nos atinge porque está dentro de nós.
Jamais seremos induzidos à violência se conquistamos a mansuetude.
O Espírito evocado não exerce uma influência irresistível sobre uma pessoa, ele apenas explora a tendência da pessoa, por exemplo, se a pessoa gosta de bebidas alcoólicas, este Espírito irá "sugerir" que esta pessoa beba sempre, até causar um mal á saúde dela ou á vida dela; se uma pessoa é negativa, só fala em se matar, este Espírito só irá "sugerir" que esta pessoa se mate. Então, o mal que devemos temer, é o mal moral, que ainda se encontra em nossa vida. Os Espíritos farejam as chagas que se encontram em nossa alma. Muitos acham mais fácil buscar algum lugar que "afaste" o Espírito obsessor do que esforçar-se para mudar de atitude. O certo é criar o hábito de orar, de manter o pensamento e atitude no bem do próximo e no nosso bem. Quando soubermos que alguém tentou nos fazer mal, não sinta raiva e não queira revidar, ore por ela, é uma pessoa que ainda se encontra na ignorância no assunto "amor ao próximo", ainda não traz Jesus em suas atitudes. Nós temos, infelizmente, a facilidade em acreditar no poder do mal do que no poder de Deus que é maior que qualquer força negativa. Mas, lembremos Deus não nos livra do Mal, Ele apenas mostra como devemos nos livrar dele. Deus não é babá de ninguém. Se Ele fizesse tudo por nós, ninguém se esforçaria para melhorar suas atitudes.
Então, o que devemos fazer para evitar o nosso envolvimento com o mal? Jesus nos legou a fórmula perfeita para evitar o envolvimento com o mal: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação.” É preciso exercitar constante vigilância, não no próximo, mas em nós mesmos. Vigiar nossos impulsos, as ideias que surgem em nossa mente, nossos desejos, tendo por parâmetro a moral evangélica que nos oferece o roteiro ideal para uma existência equilibrada e feliz. Em qualquer atitude que tivermos de tomar, perguntemos: "O que cogitamos é compatível com o Evangelho?" Se a resposta for negativa, nos detenhamos imediatamente em oração, rogando a Deus forças para resistir à tentação.


Rudymara